Crédito: Freepik
em

7 Hormônios relacionados à obesidade

Conheça os hormônios que podem afetar a sua capacidade de perder ou ganhar quilinhos extra

Todo o seu corpo é regulado por hormônios e o peso não poderia ser diferente. A falta ou excesso de alguns deles pode influenciar na forma que ele reage ao alimento. Algumas pessoas vão acabar estocando mais energia – a indesejada gordurinha. Já outras, tendem a emagrecer muito rápido ou até mesmo ter dificuldades em ganhar peso.

Isso acontece por causa da composição hormonal. São sete os principais hormônios que compõem o seu balanço de gordura no corpo: T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), insulina, leptina, grelina, estrogênio, progesterona e testosterona. Então, quando você for pensar no porquê do corpo daquela sua amiga reagir totalmente diferente do seu, basta lembrar disso.

7 Hormônios que influenciam no peso

Hormônios que influenciam no peso
Crédito: Freepik

Veja quais são os principais hormônios que você deve ficar de olho, caso esteja lutando contra a balança. Eles têm diferentes funções no corpo, sendo fundamentais para a saúde como um todo. Porém, também participam do processo de estocagem ou queima de gordura corporal.

T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina)

Esses são os famosos hormônios da tireoide, motivo pelo qual muitas pessoas procuram o endocrinologista com o objetivo de emagrecer. Se eles estiverem desregulados, será muito difícil alcançar o peso ideal. Quando a pessoa sofre com baixa quantidade do hormônio, o metabolismo fica muito lento e há tendência a engordar. Porém, quando há uma grande quantidade, ocorre o oposto, sendo difícil engordar e provocando problemas de crescimento em crianças.

Para regular, é fundamental que visite um endocrinologista e faça tudo com orientação médica. Essa não é uma área para amadores, então nada de sair seguindo dicas por aí, ok? Hormônio é coisa séria e deve ser tratada por um profissional.

Insulina

E você achando que a insulina só tinha relação com o controle do diabetes, hein? Pois saiba que a quantidade de açúcar e de gordura acumulada nas células estão totalmente relacionadas. Quando seu corpo desenvolve a resistência à insulina, pode acabar não “queimando” o açúcar adequadamente. Isso faz com que ele acabe sendo estocado em forma de gordura, gerando o aumento de peso.

Para controlar o nível de insulina no seu corpo, é fundamental dar um ambiente saudável para o seu pâncreas trabalhar. Então nada de se entupir de doces, pois isso gera picos que podem provocar uma resistência ao hormônio. Beba bastante água e ingira fibras, para ajudar na transformação e eliminação do açúcar.

Hormônio do crescimento

A leptina ou, como é mais conhecida, hormônio do crescimento, também tem a sua participação no emagrecimento. Na ralidade, ele é a estrela em dietas radicais e extremamente restritivas. Quando o seu corpo não recebe os nutrientes necessários, ele libera a leptina, estimulando a fome. Além disso, também reduz o gasto energético, para te proteger, caso esteja em um período de escassez  de alimentos. Ou seja, dá fome e diminui a queima de gordura.

Outra área que não pode ter interferência de amadores. Se sua leptina está desregulada, muito mais do que o ganho de peso está acontecendo por aí. Então, siga à risca as orientações do seu médico e nutricionista.

Hormônio do apetite

A grelina também tem um papel importante no controle da fome, ajudando ou não a emagrecer. Ela é um hormônio produzido no estômago, sendo secretado principalmente antes da alimentação. Assim que termina, ele tem sua produção reduzida. Quanto maior a sua quantidade, menor o uso de gordura do corpo e maior a fome. Porém, ele ainda tem um diferencial! É o grande responsável pela vontade de comer porcaria (energia rápida) quando você está sob grande estresse.

A melhor dica aqui é tentar relaxar um pouco, mesmo em meio ao caos do dia a dia. Tirar 5 minutos para fazer respiração consciente no meio do expediente é muito melhor do que levantar para tomar um cafezinho.

Estrogênio

Mais um queridinho da lista de hormônios conhecidos, o estrogênio é responsável por diversas atividades, sendo essencial para o corpo feminino. Uma delas é controlar o apetite, pois seus receptores estão ligados ao hipotálamo, ajudando a manter a fome em níveis normais. Quando há uma baixa desse hormônio, a mulher tende a sentir muito mais fome do que o normal, o que colabora com o ganho de peso.

O estrogênio pode ser parcialmente reposto por alguns alimentos, que podem entrar na sua alimentação diária. Procure investir em pratos a base de soja, feijão, algumas sementes como a de girassol ou abóbora e muitos outros.

Progesterona

Falando em hormônio feminino, esse é outro que faz toda a diferença no processo de emagrecimento. A falta do hormônio acaba levando ao aumento de peso, principalmente aquela gordurinha que fica no abdome. Além disso, faz com que a mulher passe a reter mais líquido, aumentando ainda mais o peso, sendo esse porém mais fácil de controlar.

Já para ajudar a aumentar um pouquinho a progesterona, você pode adicionar à sua alimentação mais proteína, alimentos com vitaminas B6 e C e maior quantidade de vegetais.

Testosterona

Sim, mulheres também têm testosterona, só que em menor quantidade. Porém, é exatamente isso que faz com que ela tenha uma maior tendência a ser curvilínea e com gordurinhas do que o homem. Quanto maior a testosterona, mais fácil ganhar músculo e perder gordura. Em contrapartida, pelos em todo o corpo e a gordura abdominal podem começar a aparecer.

Então não se estresse se seu corpo anda revoltado, bagunçando a produção hormonal. O que você deve fazer é procurar orientação médica e manter hábitos de vida saudáveis. Isso vai ajudar a colocar as coisas em ordem, com a ajuda de remedinhos, se necessário.

Avó contou para neto que nunca viu o mar e ele a levou em uma viagem

Avó contou para neto que nunca viu o mar e ele a levou em uma viagem especial

como fazer cachos no cabelo

Como fazer cachos no cabelo: 7 técnicas para mudar o visual