resistência à insulina
Crédito: Freepik
em

Tudo sobre a resistência à insulina que você precisa saber

Essa síndrome tem cura se for tratada o quanto antes. Veja porque ela acontece, seu diagnóstico e tratamento.

Publicidade

Há problemas de saúde que são muito comuns e ouve-se falar o tempo todo, mas não se sabe exatamente o que são. Esse é o caso da resistência à insulina. A julgar pelo nome, a tendência é relacioná-la com o diabetes, e de fato é um pensamento coerente. Veja qual é a relação dessas duas doenças e outras informações importantes para saber como se prevenir.

O que é resistência à insulina?

resistência à insulina quais as causas
Crédito: Freepik

Para entender o que é a resistência à insulina, é importante saber qual é o papel da insulina no organismo. A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que tem a função de liberar a passagem da glicose para dentro das células, onde irão se transformar em energia. Essa glicose entra no organismo através da alimentação.

Nas pessoas que possuem a resistência, o trabalho da insulina é deficiente e ela não dá conta de colocar a glicose dentro das células na velocidade adequada. Quando isso acontece, as taxas de glicose no sangue ficam altas, pois elas se acumulam, causando os sintomas dessa síndrome.

Existem sintomas?

Não existem sintomas apenas por causa da resistência à insulina. Porém, quando ela está associada a outras doenças que a desencadeiam, vão surgir os sintomas relacionados a essas doenças. Veja a seguir quais são os problemas que causam a resistência insulínica.

Publicidade

Principais causas

A resistência à insulina é mais comum em pessoas com predisposição genética, ou seja, que têm um familiar com problemas relacionados. Então ela pode ser desencadeada a partir de diferentes causas, como:

  • Obesidade;
  • Pressão alta;
  • Colesterol alto;
  • Gestantes com alteração de insulina;
  • Síndrome dos Ovários Policísticos;
  • Gordura no fígado.

Cada uma das causas tem disfunções específicas que levam o pâncreas a ter defeitos no processo de produção e liberação da insulina. No caso da obesidade, que é o principal fator de risco para a resistência insulínica, a maior quantidade de gordura armazenada no organismo faz com que o pâncreas a aumente a produção do hormônio insulina.

Porém, as células que recebem a glicose percebem que esse hormônio está vindo em excesso e se protegem dele, formando uma resistência. Acaba virando um ciclo vicioso porque o pâncreas não recebe um sinal para parar. Então, quanto mais a insulina é produzida, mais resistente as células ficam, e mais glicose se acumula no sangue.

Publicidade

Fatores de risco e possíveis complicações

Como a obesidade é a principal causa da resistência insulínica, os fatores de risco são aqueles que levam à obesidade. Como uma alimentação deficiente e o sedentarismo. Esses dois fatores também levam à pressão alta e ao colesterol alto, que são outras causas da síndrome.

Uma das principais complicações é que quando a glicose fica acumulada em grande quantidade no sangue por não estar sendo absorvida pelas células resistentes, ocorre o diabetes tipo 2.

Ao se instalar no organismo, o diabetes também tem suas consequências, afetando os sistemas endócrino, excretor, digestivo, circulatório, nervoso, reprodutivo, além de causar problemas de pele.

Publicidade

Como são os exames e o diagnóstico?

resistência à insulina exames de sangue
Crédito: Freepik

Pelo fato de não demonstrar sintomas claros a menos que esteja ligada a outras doenças sintomáticas, a maneira de diagnosticar a resistência insulínica é por meio de um exame de sangue chamado exame da curva glicêmica. Assim é possível verificar o aumento das taxas de glicose na corrente sanguínea, com base nos valores padrão de normalidade.

Existe o exame feito após o consumo de um líquido açucarado, no qual, após a sua absorção, observa-se os níveis de glicose dentro do seguinte parâmetro:

  • Nível normal: abaixo de 140 mg/dl;
  • Nível quando há resistência insulínica: entre 140 e 199 mg/dl;
  • Nível quando há diabetes: igual ou acima de 200 mg/dl.

Conforme a resistência à insulina aumenta, os níveis de glicose no sangue ficam altos mesmo quando a pessoa está em jejum. Então existe um exame de sangue para verificar se isso está ocorrendo, chamado de exame de glicemia de jejum. Nesse exame os parâmetros são os seguintes:

Publicidade
  • Nível normal: abaixo de 110 mg/dl;
  • Nível quando há resistência insulínica: entre 110 e 125 mg/dl;
  • Nível quando há diabetes: igual ou acima de 126 mg/dl.

Além desses dois exames existe outro no qual é feito um cálculo do chamado índice Homa. Esse exame permite ao médico avaliar a relação entre a quantidade de glicose com relação a de insulina.

Esse exame é necessário porque um dos outros pode ser enganoso, já que o organismo está constantemente estimulando a produção de insulina e em determinados momentos a glicose acaba sendo absorvida, reduzindo os níveis.

Como funciona o tratamento?

resistência à insulina tratamento natural
Crédito: Freepik

Para controlar a resistência à insulina é preciso identificar sua causa. De modo geral o médico endocrinologista irá orientar o paciente a um tratamento natural que consiste em reeducar seus hábitos alimentares, emagrecer se estiver acima do peso, começar a praticar atividade física e abandonar vícios.

Publicidade

Tudo isso para que seu organismo volte a trabalhar em equilíbrio. Assim o excesso de glicose é extinguido, o pâncreas para de produzir insulina em excesso e as células deixam de ser resistentes, permitindo que esse processo volte à normalidade.

Porém, para que essa cura seja possível, é importante visitar o médico periodicamente e fazer os exames antes que o diabetes se instale ou que esteja à beira de se desenvolver. Do contrário, o tratamento natural continuará sendo necessário, mas com cuidados maiores e, em alguns casos, com a intervenção de medicamentos.

As dicas deste artigo não substituem a consulta ao médico. Lembre-se que cada organismo é único e pode reagir de forma diferente ao mencionado. E para obter os resultados mencionados também é preciso aliar a uma vida e alimentação saudável e equilibrada.

Publicidade

Saiba tudo sobre picos de açúcar no sangue

cultivar cogumelos

5 Dicas de como cultivar cogumelos em casa