outubro rosa
Crédito: Freepik
em

Outubro Rosa: Como fazer a prevenção do câncer de mama

Saiba como identificar algo diferente nas mamas para buscar ajuda médica

Publicidade

Desde os anos noventa, em várias partes do mundo, o mês de outubro é marcado pelas campanhas do Outubro Rosa que falam sobre a conscientização e prevenção do câncer de mama.

No Brasil, ao longo do mês, diversas cidades realizam eventos para instruir homens e mulheres sobre o que é esse tipo de câncer, quais são os sintomas, como fazer o autoexame para detectar precocemente, e todas as informações sobre como funciona o tratamento.

Publicidade

Para colaborar com as campanhas, fizemos questão de compartilhar aqui informações sobre os sintomas do câncer de mama, como fazer o autoexame e como proceder caso perceba algo de anormal nas mamas depois do autoexame.

Sintomas de câncer de mama

Os sintomas do câncer de mama podem variar em cada caso. Nem todas as pessoas vão ter os mesmos tipos e intensidade de sintomas, assim como eles podem ser mais leves ou fortes conforme o estágio em que a doença está. Os principais sintomas são os seguintes:

Publicidade
  • Alteração no tamanho do seio afetado
  • Mudanças no formato do seio afetado
  • Vermelhidão localizada ou geral na mama
  • Dores na região
  • Aumento da temperatura na pele da mama
  • Aparecimento de úlceras na pele
  • A textura da pele da mama fica diferente, mais rugosa
  • Pode haver coceira
  • Mamilo invertido (para dentro), quando o tumor está atrás da aréola ou é inflamatório
  • Secreção de sangue e de outros fluidos
  • Inchaço e nódulos nas axilas e base do pescoço

Como fazer o autoexame das mamas?

O autoexame das mamas é recomendado para todas as mulheres e também homens adultos, já que existem casos de câncer de mama em homens, embora seja menos comum.

Fazer o autoexame com frequência é uma das formas mais eficientes de detectar qualquer mudança nas mamas e buscar ajuda médica antes que o possível tumor evolua e se torne grave.

O tratamento precoce tem mais chances de cura do que quando se começa a tratar o câncer em estágio avançado. Veja como fazer o autoexame:

Publicidade
  1. Faça o autoexame todos os meses, uma semana depois da menstruação;
  2. Você pode fazer o autoexame de pé, em frente ao espelho ou no banho, ou pode fazer deitada na cama;
  3. Tire sua blusa e o sutiã;
  4. Coloque uma das mãos atrás da cabeça e use a outra mão para apalpar a mama do lado em que o braço está erguido;
  5. Com os dedos, faça movimentos circulares ao redor da mama, de dentro para fora, até chegar no mamilo;
  6. Quando chegar no mamilo, aperte-o levemente para ver se sai alguma secreção;
  7. Depois, repita o procedimento com a outra mama.

Confira, no vídeo abaixo, a explicação da Dra. Nubia, da Clínica Viver de Imagens Médicas, sobre o autoexame das mamas:

O autoexame não é usado como diagnóstico de câncer de mama

Depois de fazer o autoexame, se você sentir qualquer alteração na sua mama, e ficar na dúvida, agende uma consulta com seu ginecologista. Só pelo autoexame não significa que você esteja com câncer.

Publicidade

O autoexame das mamas não serve como diagnóstico do câncer de mama, mas sim, como um sinal de alerta para consultar seu médico e fazer outros exames.

Mesmo fazendo o autoexame todos os meses, sem sentir qualquer alteração, vá ao ginecologista uma vez ao ano para fazer os exames de rotina, inclusive a mamografia, se você já tiver 40 anos ou mais.

Outros cuidados para prevenir o câncer de mama

Muitas mulheres têm predisposição a terem câncer de mama por causa de outros casos na família. Mas, não significa que vão desenvolver a doença. Da mesma forma, mulheres sem histórico familiar podem desenvolver.

Publicidade

Em todo caso, além do autoexame das mamas, é bem importante ter cuidados com a saúde de modo geral, alimentando-se de forma saudável, abandonando vícios e aderindo à prática de atividade física diária.

Veja também:

Fezes com odor fétido

Fezes com odor fétido além do normal: o que pode ser?

Cuidados essenciais para a volta às aulas presenciais

Cuidados essenciais para a volta às aulas presenciais