em

AmeiAmei

Urticária: tipos, causas e tratamento

Conheça as causas, os sintomas e os tratamentos dessa doença na pele
urticária
Crédito: Freepik

A urticária é uma reação alérgica que se manifesta principalmente pela formação de protuberâncias na pele, de cor rosada e que possuem um formato irregular com um centro claro. Veja em quais tipos ela se divide, quais os sintomas e como é feito o tratamento.

Tipos de urticária

tipos de urticária
Crédito: Wikipedia
  • Aguda: dura menos de 6 semanas, sendo uma ocorrência passageira que não origina nenhuma cicatriz ou marca. No entanto, pode reaparecer em outras regiões da pele. Pode ser uma reação imunológica a uma diversidade de fatores, desde medicamentos a exercícios físicos, passando por alimentos, poeira, perfumes, tecidos e substâncias químicas;
  • Crônica: dura mais de 6 semanas. Pode ser induzida, ou seja, surge como uma reação a causas como o calor, roupas justas, água e frio, por exemplo. Pode também ser espontânea, quando não existe uma causa associada, complicando o diagnóstico e o tratamento. As mulheres na faixa etária dos 20 aos 40 anos são as mais atingidas pelo tipo crônica;
  • Colinérgica: esse tipo costuma estar relacionado a causas emocionais e é mais comum em adolescentes. Além das causas emocionais, como alto estresse ou ansiedade, os sintomas também podem acontecer por causa do excesso de suor;
  • Física: esse é um tipo raro. Os sintomas aparecem quando a pessoa fica por um período prolongado de tempo fazendo pressão sobre alguma parte do corpo, como os braços ou pernas;
  • De frio ou calor: muito frio ou muito calor podem provocar essa reação alérgica na pele de quem tem tendência ao problema. Nem sempre tem a ver só com um lugar de clima frio ou muito quente, e sim, a um banho muito gelado ou muito quente, por exemplo.
  • Aquagênica: deixa seus sintomas quando a pele é exposta a uma pressão de água muito forte. Dessa vez não tem a ver com a temperatura, pois é a velocidade que a água atinge o corpo que vai desencadear os sintomas alérgicos.

Sintomas

Os sintomas costumam aparecer de um momento para o outro, em qualquer parte da pele, e depois somem sozinhos para reaparecer em outra parte.

Primeiro aparecem as urticas, acompanhadas por umas marcas vermelhas (os vergões). Podem surgir também inchaço nos lábios, nas mãos e nas orelhas, entre outras regiões do corpo. O inchaço pode ocorrer na mucosa da garganta e da boca, o que, inclusive, bloqueia as vias aéreas superiores. Nesses quadro, ela pode ser fatal.

Além da coceira, o ardor é bastante comum. O tamanho varia bastante, pois tanto podem ter poucos milímetros, como muitos centímetros. Por outro lado, as lesões irrompem isoladamente ou acabam formando umas placas.

Existem algumas manifestações mais raras, como sentir falta de ar ou ter dificuldade para falar ou engolir. Naturalmente, diante desses sintomas, você deve procurar um médico o mais rápido possível.

Causas

É uma predisposição genética ao excesso de liberação de histaminas, as substâncias que causam a dilatação dos vasos sanguíneos, resultando em inchaço, vermelhidão e os demais sintomas. Os gatilhos dessa predisposição são vários e geralmente a pessoa só descobre depois de viver uma situação de alergia.

Quando acontece em decorrência de uma situação muito estressante ou de ansiedade, é chamada de urticária nervosa. Mas também pode acontecer por causa de um alimento, poeira, pelos de animais, perfume, tecido, contato com produtos químicos e muitas outras causas.

Como fazer o diagnóstico

Na consulta, o médico dermatologista avalia alguns aspectos do paciente, como o seu regime alimentar, histórico clínico ou os medicamentos que costuma tomar. Por vezes, é necessário recorrer a exames de pele ou a análises sanguíneas. É igualmente relevante fazer um diagnóstico diferencial com outros problemas de saúde para eliminar outras possibilidades.

Tem cura?

Pode-se considerar que uma pessoa está com o problema sob controle. Não está imune para sempre, sendo que os sintomas podem reaparecer caso a pessoa volte a ter contato com a substância alergênica, que desencadeia o excesso de histaminas.

Então, na verdade, não há cura, apenas controle. Os casos crônicos necessitam de tratamento prolongado, não apenas mantendo-se longe do que causa a alergia, mas também tomando medicamentos e tendo outros cuidados diários.

Tratamento

Apesar de não ter cura, é possível controlá-la. O tratamento é personalizado, tendo em conta o quadro de cada paciente. Quando há uma identificação das causas da urticária, a medida imediata é suspender o contato do paciente com o que originou a doença.

Os medicamentos anti-histamínicos (antialérgicos) com administração oral aliviam as manifestações da urticária, porque atenuam a ação da histamina. Alguns quadros exigem drogas com corticoides, que devem ser administradas durante pouco tempo, pois essas substâncias podem originar efeitos prejudiciais à saúde.

Em casos mais graves, com um inchaço oriundo das camadas mais fundas da derme, o paciente pode ser submetido a uma aplicação subcutânea de adrenalina.

Conselhos importantes

  • Previna-se. Se você já sabe o que ativa essa doença no seu organismo, passe longe dessa causa;
  • Evite ao máximo coçar a pele, sobretudo nas regiões com as lesões;
  • Coloque compressas frias nas urticas para não sentir tanta coceira;
  • Nunca faça automedicação. Tudo o que você fizer deve ser sempre sob o aconselhamento médico;
  • Descontraia. Afinal, o estresse pode agravar as manifestações da urticária;
  • Se a urticária surgir até 1 hora após a ingestão de alimentos ou medicamentos, consulte um médico o mais rápido possível.

2 Comments Leave a Reply
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0
Comentários
economizar em casa
11 Dicas para economizar em casa
maionese temperada
8 Receitas de maionese temperada