incontinência urinária na menopausa
Crédito: Freepik
em

Incontinência urinária na menopausa: hormônios podem ser os culpados

É possível evitar as fugas de xixi com algumas medidas e com um exercício simples

A menopausa chega e, com ela, muitas mudanças no corpo da mulher. É uma fase de adaptação, ressignificação e redescoberta. Entre as diversas alterações que o corpo passa, uma delas é hormonal, podendo trazem algumas complicações. Além do calor ou insônia, a incontinência urinária na menopasa pode ser um grande desafio.

De acordo com o Ministério da Saúde, “a presença de prolapsos genitais e incontinência urinária também podem ser situações constrangedoras, atuando sobre a sensualidade e a auto-estima”. Dessa forma, é importante que se cuide do físico, para também deixar o aspecto mental em dia. Ela pode acontecer por diversas razões, entre elas “o enfraquecimento do assoalho pélvico”.

Esse assoalho pélvico é fundamental para o seu corpo, por mais que muitas pessoas nem façam ideia do que se trata. Ele é na realidade, “um conjunto de músculos e ligamentos que fazem a sustentação dos órgãos pélvicos como bexiga, útero, reto, intestino”. Já viu como é importante? Porém, alguns fatores podem fazer com que ele perca a tenacidade, como a gestação e menopausa.

Incontinência urinária na menopausa

Responsável por sustentar os órgãos do abdome, além de outras funções, o assoalho pélvico pode sofrer alterações na menopausa. Isso por causa da mudança hormonal, que faz com que perca o tônus. Dessa forma, a bexiga já não tem tanta sustentação e o controle da micção é reduzida consideravelmente. Por isso, um dos primeiros sintomas de que algo não vai bem, é aquela escapadinha de xixi eventual.

É fundamental que se cuide logo no início da incontinência urinária na menopausa, quando não se faz necessário  nenhum tipo de cirurgia e muitas das vezes, nem medicamentos. Com ações simples pode-se resolver o problema, fortalecendo a musculatura pélvica e evitando também outros problemas. O tratamento deve ser direcionado por um médico de confiança e equipe qualificada.

Existem diversos tipos de tratamento para o problema, de forma ampla. Primeiro, se deve cuidar da parte física, com a suplementação hormonal, medicamentos e até mesmo cirurgia. Em seguida, é fundamental cuidar também do lado emocional, pois a tendência é que a mulher se isole. É comum que sinta medo de acontecer algum incidente, o que pode afetar a parte psicoemocional e social da mulher.

Como prevenir

Melhor do que recorrer a tratamentos diversos, é prevenir que o problema aconteça. Para isso, converse com seu médico de confiança e veja quais são as melhores opções para deixar o seu corpo bem balanceado. Além disso, manter uma boa alimentação para a menopausa e hidratação e não manter o hábito de segurar o xixi ajudam bastante.

Mas existe um método que pode ser a solução para esse e muitos outros problemas. O exercício de Kegel ajuda a fortalecer o assoalho pélvico, impedindo o escape da urina. Além disso, dá maior suporte para a bexiga e os órgãos do abdome, reduzindo as chances de escape. Quer mais um motivo para fazer, melhora também a sua vida sexual.

Muito interessante, certo? Então veja como fazer o exercício de kegel nesse vídeo.

Remédio para diabetes tipo 2

Remédio para diabetes tipo 2: pode parar de tomar?

palha italiana para vender

Palha italiana para vender: receitas e dicas para lucrar com esses doces