Artrite reumatoide juvenil
Crédito: Freepik
em

Artrite reumatoide juvenil: tipos, sintomas e tratamento

Também chamada de artrite idiopática, a condição causa muitas dores e tem alguns sintomas comuns com outras doenças

Nada pior do que ver uma criança sentindo dor e não conseguir descobrir o motivo. Infelizmente, esse é um dos sintomas da artrite reumatoide juvenil, sendo uma longa jornada até descobrir do que se trata.

Foi exatamente isso o que aconteceu com a pequena Ana Luiza Frelik, conheça a sua história. Um dia Ana, com apenas dois aninhos, acordou chorando muito de dor. Ela não conseguia sentir suas pernas e reclamava muito. Os pais a levaram ao médico, mas ninguém conseguia descobrir a causa do problema, chegaram a pensar que era câncer ou até mesmo síndrome de Guillain-Barré.

Artrite reumatoide juvenil ana luiza
Crédito: Facebook Celiane Frelik

Além das dores, a pequena tinha febre alta e manchas vermelhas pelo corpo. Além disso, seus tornozelos, punhos e joelhos estavam muito inchados. A dor era tanta, que ela não conseguia nem mesmo pegar uma colher para comer sozinha. Sua única vontade era ficar deitada, sem se mover, até que encontraram um médico que a diagnosticou com artrite reumatoide juvenil.

Foi um longo processo, com mudanças e problemas como o Sistema Único de Saúde para pegar os remédios – extremamente caros. Hoje ela está melhor, sem sintomas tão severos, se desenvolvendo e voltando a sorrir. A cada três meses, ela vai de barco até Manaus, para poder ser atendida pelo reumatologista infantil local e fazer o acompanhamento.

Sintomas de artrite reumatoide juvenil

Também conhecida como artrite idiopática juvenil, ela é definida pela Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) como “uma doença inflamatória crônica que acomete as articulações e outros órgãos, como a pele, os olhos e o coração”. Essa doença ainda não é reconhecida no Brasil, mas atinge cerca de 0,1 a cada 1000 crianças, tanto na América do Norte quanto na Europa.

Seus principais sintomas são:

  • Dor: a maior parte dos casos é acompanhado de dor, mas pode também não apresentar o sintoma ou ser realmente fraco;
  • Inchaço: o aumento do volume em locais onde há articulações é um dos principais sintomas;
  • Aumento de temperatura: o aquecimento do local onde há inchaço é presente na maior parte dos casos;
  • Rigidez: ao acordar, fica muito difícil mexer as articulações, como cotovelo, joelho e pulso, causando dor e desconforto;
  • Manchas vermelhas: quando a inflamação deixa de ser somente local, podem aparecer manchas  pelo corpo.

Tipos

São três tipos de artrite idiopática juvenil, a “pauciarticular (ou oligoarticular), poliarticular e sistêmico”. Cada uma tem suas particularidades, sendo descritas logo a seguir, com base na SBR.

Pauciarticular

Esse tipo específico pode comprometer até quarto articulações do corpo da criança ou jovem, principalmente joelhos e tornozelos. Além disso, é fundamental que se faça um acompanhamento com oftalmologista, a fim de evitar a inflamação na úvea.

Poliarticular

Mais complexo e doloroso do que o anterior, esse tipo de artrite causa inflamação em mais de cinco articulações. Bons exemplos são “os joelhos, tornozelos, punhos, cotovelos e pequenas articulações das mãos e dos pés”. Também pode causar febre, sendo o tratamento complexo.

Sistêmica

A do tipo sistêmica é a mais grave e que pode trazer maiores complicações. Isso porque a inflamação já generalizou e está causando maiores estragos. Ela pode apresentar “febre alta em um ou dois picos diários (39º C), erupção na pele (rash cutâneo), gânglios, serosite (inflamação da pleura e do pericárdio) e aumento de fígado e baço ao exame clínico”.

Causas

Infelizmente, ainda não se sabe exatamente o que causa a doença, mas alguns fatores são observados como relevantes. Entre eles, estão aqueles de caráter “imunológico, genético e infeccioso”.

Até mesmo o estresse ou outras alterações emocionais podem desencadear a doença, quando já existe uma predisposição genética. Traumas físicos, que atingem as articulações também podem ser um fator condicionante.

De qualquer forma, a SBR faz questão de lembrar que essa “não é uma doença infecto-contagiosa e os pacientes podem (e devem) frequentar normalmente creches, escolas, clubes e piscinas”.

Tratamentos

É um tratamento longo e que exige persistência, mas apresenta resultados. Ele envolve o uso de medicamentos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, fisioterapia especializada e em alguns casos, acompanhamento de um profissional do ramo da psicologia.

Alguns medicamentos utilizados são antiinflamatórios não-hormonais como a aspirina, naproxeno e ibuprofeno, além de hidroxicloroquina (ou o difosfato de cloroquina), ciclofosfamida, corticosteroides, a sulfassalazina e o metotrexato.

O tratamento deve ser continuado e pode chegar até a adolescência, para evitar novas crises e deformações no corpo da criança. A interrupção ou abandono do tratamento “pode ter consequências sérias e irreversíveis, como piora da inflamação, deformidades articulares irreversíveis, destruição da cartilagem e piora da capacidade física”.

Novo tratamento para artrite reumatoide funciona mesmo

Novo tratamento para artrite reumatoide funciona mesmo?

como aliviar dores nas pernas varias causas

Como aliviar dores nas pernas com exercícios e remédios