Crédito: Freepik
em

Fome emocional: as diferenças entre fome e vontade de comer

Você sabe diferenciar a fome da vontade de comer? E sabe quando essa vontade é preocupante?

Publicidade

Em situações normais, todo mundo sente fome. É quando o corpo avisa que precisa de uma reposição de nutrientes para continuar gerando energia e funcionando bem. Acontece que muitas pessoas desenvolvem, em algum momento da vida, uma relação desequilibrada com a comida.

Alguns ficam com repúdio pela comida por medo de engordar, enquanto outros lidam com a fome emocional. Ambos são extremos que, dependendo do caso, são considerados distúrbios alimentares. O que você vai conhecer melhor dessa vez é a fome emocional: o que é isso? O que causa e como lidar?

O que é fome emocional?

A fome emocional é popularmente chamada de vontade de comer. É diferente da fome fisiológica, que surge quando seu organismo já digeriu a comida da refeição anterior e faz seu cérebro avisar ao seu estômago que está na hora de comer de novo.

Na fome emocional, a pessoa sente uma vontade muito grande, às vezes incontrolável, de comer determinado tipo de alimento, mesmo tendo acabado de fazer uma refeição. Essa vontade é motivada por alguma emoção, que varia conforme a pessoa: angústia, ansiedade, tristeza, raiva, alegria e afins.

Publicidade

Outra característica da fome emocional é que, geralmente, a pessoa sente desejo por alimentos menos saudáveis, como carboidratos simples repletos de calorias e açúcar ou sal, como bolos, bolachas, chocolates, salgadinhos e refrigerantes, e com texturas intensas, como muito crocantes, fofinhos ou cremosos. É o prazer da gula!

Principais diferenças entre fome fisiológica e fome emocional

Para ficar mais fácil identificar quando você sente fome fisiológica e quanto sente fome emocional, veja os tópicos abaixo:

Fome fisiológica

  • Surge de forma gradual;
  • Ocorre quando as necessidades energéticas e nutricionais do corpo estão em baixa;
  • Pode trazer a sensação de estômago vazio;
  • Se não for atendida, pode gerar fraqueza, tontura e dor de cabeça;
  • É saciada com o consumo intencional e consciente dos alimentos;
  • Pode ser suprida com qualquer alimento;
  • Traz saciedade sem a sensação de culpa depois de comer

Fome emocional

  • Surge subitamente;
  • Não depende do corpo estar precisando de energia e nutrientes;
  • Não apresenta sinais físicos, como sensação de estômago vazio;
  • Surge em um momento de pico emocional, positivo ou negativo;
  • É saciada com o consumo inconsciente de certo alimento em maior quantidade;
  • É seletiva, pois a pessoa sente desejo por determinado alimento, não por qualquer coisa;
  • Pode trazer a sensação de culpa após comer

Fome emocional é sinal de distúrbio alimentar?

Nem sempre. Quando a fome emocional surge só de vez em quando, mas normalmente você come sem exagero e só quando sente fome, é normal. Quase todo mundo tem desejo por alguma comida específica quando está entediado, nervoso, feliz ou triste, ou em uma ocasião especial em que há um banquete, por exemplo.

Publicidade

Por outro lado, quando a fome emocional interfere na sua saúde e qualidade de vida, é frequente e incontrolável, pode sim ser um distúrbio alimentar, como bulimia ou compulsão. Essas doenças têm raízes em outros problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade e diferentes síndromes.

Existem também os casos de pessoas pré-diabéticas que sentem muita vontade de comer doces, pois o organismo se torna resistente à insulina. Tem, ainda, a fome emocional que surge na TPM, que é a fase em que as mulheres têm menos serotonina no sangue, e aí sentem necessidade de ingerir mais açúcar para liberar mais serotonina, o chamado hormônio do prazer.

Veja também: Tipos de transtornos alimentares e como tratar

Publicidade

Como lidar com a fome emocional?

A fome emocional é preocupante quando pode ser sinal de doença, como nos casos de pré-diabetes ou de algum distúrbio mental e alimentar. Se desconfiar de um desses problemas, é importante se consultar com um endocrinologista e/ou psiquiatra para falar sobre os sintomas, fazer exames e dar início ao tratamento médico.

Se a fome emocional for esporádica, mas você quiser mantê-la sob controle para não perder a linha, pode seguir essas dicas:

  • Beba muita água e não confunda sede com apetite;
  • Estabeleça e mantenha as rotinas de horário das refeições;
  • Evite ter em casa alimentos ricos em açúcares e com a combinação gordura-sal-crocante. Opte por lanches saudáveis, como oleaginosas puras (amêndoas, avelãs, nozes), frutas, iogurtes ou queijo fresco;
  • Faça listas de compras e evite ir ao supermercado com fome e/ou quando se sente mais estressado;
  • Faça refeições equilibradas e completas, que promovam a saciedade;
  • Mantenha uma rotina de sono regular, de 6 a 8 horas por noite (adultos);
  • Pratique exercício físico com regularidade;
  • Procure distrações alternativas à comida (ler, fazer esporte, conversar, etc.)

Artigo com informações de À Roda da Alimentação

Publicidade

Veja também: Receitas de petiscos saudáveis – doces e salgados

cabelo sem quimica

Cabelo sem química: confira as melhores receitas de produtos

Mansplaining e Manterrupting: conheça esses termos importantes para combater o machismo