em

Febre amarela: conheça os sintomas, tratamento e vacinação

A febre amarela é uma doença antiga e está controlada, mas qualquer descuido pode ser fatal. Veja como se prevenir
febre amarela
Crédito: Wikimedia Commons

A febre amarela é uma doença viral transmitida pelo mosquito do gênero Flavivirus febricis. Dados históricos mostram que essa espécie existe há mais de 3 mil anos e chegou ao Brasil junto com os navios que vinham da África no período colonial. Conheça seus tipos, sintomas, como é feito o diagnóstico e o tratamento.

Quais os tipos

Os tipos existentes de febre amarela são dois e variam conforme o habitat do mosquito. Existe a febre silvestre e a urbana.

Silvestre

O tipo silvestre acontece quando os mosquitos Haemagogus e Sabethes picam os macacos e também os homens não vacinados que entrem no habitat dos macacos.

Urbana

O tipo urbano é transmitido pelo já conhecido Aedes aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue, da zika e da chikungunya. Com todas as campanhas que já foram feitas para a prevenção dessas doenças, as pessoas já devem saber que esse mosquito gosta de água parada e que a doença acontece quando ele pica uma pessoa doente e depois pica outra pessoa saudável, que passará a ter a doença.

Erradicação

O tipo urbano já foi erradicado no Brasil, mas após o último caso registrado em 1942, ainda ocorreram alguns casos do tipo silvestre. Portanto, todo cuidado é pouco. Qualquer pessoa que more ou trabalhe próximo de regiões silvestres, onde ainda pode haver macacos e mosquitos infectados, deve estar vacinada.

Sintomas da doença

febre amarela sintomas
Crédito: Freepik

A febre amarela pode apresentar sintomas muito leves ou graves, chegando a causar a morte da pessoa infectada. A forma que acontece a infecção começa pelos vasos linfáticos, assim que a picada acontece. Depois, o vírus começa a infectar células dos pulmões, coração, rins, fígado, sistema digestivo, podendo até mesmo infectar o cérebro.

Olhos amarelados

Logo que o vírus começa a se espalhar, a pessoa fica com olhos e pele amarelados, por isso o nome da doença.

Sintomas clássicos

Além de ficar com os olhos amarelados, que é um dos principais sintomas para se desconfiar, o corpo também reage através dos sintomas clássicos da maioria das doenças que são mal estar, dor de cabeça, calafrios, cansaço, vômito, dores musculares e diarreia. Esses sintomas costumam acontecer até seis dias após a picada.

Sintomas por complicações nos órgãos infectados

O que pode levar à morte são as complicações no funcionamento dos órgãos infectados, que podem ficar comprometidos. Por isso, o tratamento imediato ao desconfiar dos sintomas é essencial. Essas complicações ocorrem com uma minoria de pessoas infectadas, mas devem ser consideradas.

Geralmente, aparecem 24 horas após a recuperação dos sintomas clássicos, que duram cerca de 3 ou 4 dias. Essa fase é a chamada tóxica em que o vírus pode afetar fígado e rins fazendo a febre voltar, causando dor abdominal, urina escura, dores abdominais e sangramento dos olhos, nariz, boca ou estômago.

Diagnóstico e tratamento

Para diagnosticar a febre amarela, o médico irá observar esses sintomas mencionados e outros fatores de risco relacionados ao ambiente. Também, se a pessoa já havia sido vacinada. Mas para chegar ao diagnóstico mais preciso serão feitos exames de laboratório.

Se houver a confirmação da doença, imediatamente devem-se tomar providências para que toda a população seja vacinada, pois essa é a única forma de evitar o contágio.

Para a pessoa doente, o tratamento é à base de internação para que fique em repouso e em observação médica constante para evitar complicações.

Não existe um tratamento com medicamentos específicos para acabar com o vírus no organismo. Apenas medicação para dar suporte e evitar que o quadro do paciente se agrave.

A prevenção é o melhor tratamento

Se não há como acabar com o vírus em pessoas já infectadas, há como prevenir. Existe uma vacina segura e eficaz, de dose única e gratuita. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, não é necessário tomar a vacina mais de uma vez durante toda a vida.

Mas como no Brasil existe um risco maior de infecção devido às várias localidades com mata e falta de saneamento básico, a vacina é feita em duas doses e deve ser reforçada depois de dez anos nas pessoas que vivem nestas áreas de maior risco.

Quem for viajar para as zonas de risco também deve se vacinar. O Ministério da Saúde fez um cronograma acordado com todos os estados para a vacinação de toda a população até 2019.

Contraindicações da vacina de febre amarela

Não é recomendado que a vacina seja aplicada em:

  • Gestantes e lactantes;
  • Bebês com menos de seis meses;
  • Pessoas portadoras de HIV, tumores malignos ou outras doenças que afetem o sistema imunológico;
  • Pessoas com sensibilidade aos componentes da vacina (gelatina, proteína do ovo, eritromicina);
  • Além destes, pacientes com mais de 60 anos devem ser avaliados por um médico antes de tomar a vacina, pois nessa idade há maior risco de efeitos colaterais.

Mesmo fora das áreas de risco, mantenha os cuidados básicos

Seja para prevenir essa ou as outras doenças transmitidas por insetos e pequenos animais, é importante tomar cuidados com o ambiente em que vive.

  • Não deixar água parada em potes, vasos, pneus e outros;
  • Passar repelente no corpo e na roupa a cada quatro horas;
  • Se estiver em áreas de risco, usar roupas compridas e mosqueteiros para dormir;
  • Se for viajar para áreas de risco, consultar um médico com antecedência para saber se a vacinação será necessária, caso sim, deverá ser tomada 10 dias antes da viagem.

Faça a sua parte. Ajude a manter a febre amarela longe de todos. O menor descuido pode ser fatal. No vídeo abaixo, o Dr. Drauzio Varella fala mais sobre a doença:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0
Comentários
tatuagens para mãe e filha
15 Ideias de tatuagens para mãe e filha para inspiração
como preparar aveia
Como preparar aveia para incluir esse alimento saudável no cardápio