em

Perigos e como se prevenir da enxaqueca

A dor recorrente pode aumentar o risco de AVC

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a enxaqueca é a 10˚ doença que mais acomete os brasileiros. Mais de 30 milhões de pessoas (15% da população) sofrem com as dores na cabeça em diferentes graus de intensidade.

Alguns sintomas prévios da enxaqueca podem ser facilmente identificados: sensibilidade à claridade, a perfumes ou sons muito fortes, bocejos frequentes, náuseas e até mesmo sono excessivo.

A dor da enxaqueca pode surgir de duas formas diferentes: unilateral com pulsações leves ou de forma bilateral e constante. Em algumas pessoas, a dor chega a ser tão forte que nos torna incapazes de realizar quaisquer outras atividades.

Apesar de alguns casos de enxaqueca crônica surgirem ainda na infância, o ápice da doença atinge a maioria das pessoas durante a puberdade. Esses casos têm uma leve queda em torno dos 35 anos, em especial após a menopausa.

Uma observação dos médicos é que a doença atinge três vezes mais mulheres do que homens e as dores geralmente acontecem no período pré-menstrual.

Em casos mais fortes de enxaquecas, os pacientes alegam sintomas como vertigens, manchas escuras, linhas ou pontos brilhantes na vista, formigamento e até mesmo dificuldade na fala. Além disso, a enxaqueca pode aumentar significativamente o risco de AVC, depressão, transtornos de ansiedade, entre outras doenças.

O que pode agravar a enxaqueca?

Segundo pesquisas recentes, existem inúmeros fatores que podem causar ou agravar as dores:

  • Alimentos, perfumes, sons ou luzes muito fortes.
  • Medicamentos como anticoncepcionais, descongestionantes nasais, repositores hormonais pós-menopausa, remédios para gastrite como omeprazol e antidepressivos.
  • Analgésicos opioides e remédios que possuem combinações de cafeína

O que pode aliviar a enxaqueca?

  • Alguns estudos afirmam que a redução na ingestão de café, bebidas alcóolicas e o aumento de atividades físicas podem amenizar os sintomas;
  • Anti-inflamatórios não hormonais como diclofenaco, ibuprofeno e nimesulida;
  • Medicamentos do grupo triptano, utilizados no combate à enxaqueca moderada ou grave, que devem ser ingeridos antes do ápice da dor.

Atenção: as dicas do site não substituem a consulta ao médico. Lembre-se que tomar medicamentos sem prescrição pode fazer piorar as crises! E apenas o médico especialista poderá receitar o tratamento ideal para o seu caso.

Fonte: Folha de S. Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0

Comentários

Barbeiro corta cabelo de menino autista de forma especial

Cachorro é adotado depois de fazer xixi nas costas do novo dono