Ser mãe solo e criar um filho sozinha não é errado
Crédito: Freepik
em

Ser mãe solo e criar um filho sozinha não é errado

Saiba como lidar com o pai ausente e a maternidade solo

Pode até acontecer de algumas mulheres optarem pela maternidade solo, recorrendo à inseminação artificial. Mas infelizmente grande parte das mães solo são fruto do descaso dos pais para com seus próprios filhos. Apesar de ser uma situação cada vez mais comum, ainda há muito o que se discutir sobre essa postura, sendo fundamental um olhar livre de conceitos ultrapassados. Entenda melhor o que é essa maternidade e como agir diante dos desafios.

Ser mãe solo e o preconceito

Ela trabalha o dia todo, até mesmo quando está deitada: sua mente não para de planejar e pensar em novas soluções. Além disso, abastece a casa, dá banho, manda escovar os dentes, faz e dá a comida, leva na escola e acompanha o rendimento. Já cansou? Tem mais! A mãe solo também precisa acalmar as lágrimas, lidar com as birras, ensinar a se defender e muito mais.

E tudo isso sem a outra figura que deveria estar presente, compartilhando as obrigações: o pai. Infelizmente alguns pais optam por não participar da vida dos filhos, seja financeira ou afetivamente, como se essa escolha existisse mesmo. Igualmente errado é aquele pai que acha que está fazendo caridade ao fazer o mínimo.

Se a mãe trabalha fora para sustentar a casa — com ou sem pensão — às vezes escuta que faz isso porque só pensa em si mesma. Por outro lado, se ela fica em casa e se dedica ao filho e aos afazeres domésticos, é uma preguiçosa e quer se aproveitar da pensão do coitado do pai. Mas para o pai o julgamento nunca é o mesmo: com ele, tudo bem desmarcar uma visita mais uma vez ou atrasar o pagamento da escola dos filhos.

Ex problemática ou mãe consciente?

Ah, a mãe do meu filho só dá dor de cabeça!“. Já ouviu isso? Pior é quando alguém responde positivamente, para dar suporte, sem saber de toda a história. Se ela exige tanto, pode ser que o pai esteja faltando muito mais do que se imagina. Então, é sempre bom passar um filtro no que chega ao seu ouvido.

Além disso, ela pode estar simplesmente agindo como uma mãe moderna e informada, lutando pelos direitos dos seus filhos. Pensão é fundamental — na realidade, é lei — mas ser pai é muito mais do que fazer um depósito mensal. Assim, exigir que o pai esteja presente, converse com seu filho e supra suas necessidades emocionais não é ser problemática e sim, consciente.

Como reagir aos julgamentos?

mãe solo Como reagir aos julgamentos?
Crédito: Freepik

Infelizmente muita gente não entende a diferença e emite julgamentos sem ao menos pensar antes. A empatia é fundamental para qualquer civilização e ser mãe solo pode ser muito mais difícil do que você imagina. Mas como reagir aos comentários maldosos que aparecem por aí? Veja algumas ideias:

  • Tadinha, criando o filho sozinha“: respire, ignore e se lembre que sua luta não é motivo de pena para ninguém e sim de orgulho. Lá na frente, seu filho vai saber reconhecer a mãe forte que tem.
  • Mas e a figura masculina?“: o mundo está cheio de psicólogos de gaveta para questionar tudo e todos. E claro que a tal da figura masculina não poderia passar em branco. Responda com algum trocadilho infame e se divirta!
  • E quando vai achar outro pai para ele?”: que tal mostrar que você está dando conta muito bem, obrigada, e que caçar um homem para ser a figura paterna não está na sua lista de afazeres diários?
  • Mas com quem seu filho fica?“: se você tem que sair para trabalhar ou até mesmo se divertir (sim, mãe também é gente) e é solo, pode ser que apareça alguma figura para fazer esse tipo de pergunta. Novamente, o bom humor pode ser a solução, ou até mesmo uma resposta mais sincerona… Afinal, sua vida não é da conta de ninguém. Essa é uma boa solução para todas as outras perguntas sem noção que você receber.

Postura de pai ou obrigação?

Então, pagar a pensão é ser pai presente? O que seria ter uma postura de pai? Só pegar uma vez por semana para passar o dia ou dar uma voltinha está longe de representar a paternidade. Mesmo morando longe dos filhos, dá sim para acompanhar, aconselhar, motivar, brincar e mostrar afeto de muitas formas.

A falta da postura de pai, mesmo com o cumprimento da obrigação (muitas vezes determinada judicialmente), pode causar muitos problemas. Baixa autoestima, carência, ansiedade, depressão e até problemas físicos e comportamentais, podem ter origem nessa relação mal resolvida. Mas o que fazer se o pai não quer cumprir seu papel?

O que fazer quando o pai é ausente?

mãe solo como agir judicialmente
Crédito: Freepik

Primeiro de tudo, mantenha a calma. A criança já está sentindo a ausência, não precisa de mais uma carga de estresse. Tente conversar com esse pai, mostrar a importância dele para o filho. Se ainda assim não funcionar, não force. E lembre-se de que não é sua responsabilidade que o outro seja maduro e consciente das suas obrigações. No futuro, seu filho vai saber reconhecer o seu esforço e vai entender melhor a situação.

Depois de conversar, você deve procurar a ajuda de um advogado para buscar alternativas, sem causar tanto desgaste na relação (que a essa altura já não deve estar nada interessante). Se, mesmo depois da decisão judicial, o pai faltar com as obrigações — financeiras ou afetivas — há a opção de entrar com um processo de danos morais.

A solução judicial

De acordo com o site especializado em direito, JusBrasil: “o artigo 249 do ECA prevê que qualquer descumprimento, dolosa ou culposamente, de determinações judiciais ou de Conselho Tutelar quanto aos deveres inerentes ao poder familiar, ou decorrentes de tutela ou guarda, implica em penalização, por meio do pagamento de três a vinte salários de referência. Os valores são revertidos a favor da criança e podem ser aplicados em dobro para casos reincidentes“.

Já o Tribunal de Justiça do Distrito Federal afirma que “independentemente de amar um filho, os pais são obrigados a cuidarem, a dar-lhes o necessário para sua criação e educação, até se tornarem maiores, (…)  onde a falta de atenção e cuidado, que implica na ausência de proteção, pode gerar desconforto psicológico, sentimentos de ansiedade, frustração, profunda tristeza, baixa auto-estima, dentre outros“. Consequentemente, pode ser alvo de ação em busca de indenização.

Ela não vai reduzir a dor ou angústia da criança, mas certamente terá um caráter educativo e vai ajudar o filho a ter ao menos um sentimento de justiça. Afinal, o que a mãe solo mais precisa é ter um minutinho para respirar, entre tantas obrigações e pressões, para que ela continue com o seu trabalho mais importante: amar, cuidar e educar o seu filho.

Adolescente ganha recompensa por se comprometer a deixar ruas limpas depois de protestos

Adolescente ganha recompensa por se comprometer a deixar ruas limpas depois de protestos

Catador de lixo fica milionário ao encontrar vômito de baleia

Catador de lixo fica milionário ao encontrar “vômito de baleia”