bolsa
Imagem: Arquivo Pessoal / Reprodução
em

Brasileira compra bolsa falsificada e paga multa de R$ 1.200

Ela estava acostumada com as regras do Brasil, que multa quem fabrica e não quem compra os produtos falsos

Publicidade

No Brasil, as pessoas estão bem acostumadas a comprar produtos falsificados, que estão por toda parte. Mas, não significa que você pode viajar para qualquer país e fazer o mesmo, nem se for com uma simples bolsa.

No caso da jovem brasileira Isabele Cifuentes, que mora na Alemanha há 3 anos, a descoberta do controle rígido do país contra pirataria veio da pior forma.

Após comprar uma bolsa falsificada da Louis Vuitton por 50 euros, a jovem teve que pagar 235 euros de multa – equivalente a R$ 1.273,00, na cotação atual.

Veja também: Quais os riscos dos brinquedos falsificados? Saiba como presentear em segurança

Publicidade

A falta de conhecimento levou ao prejuízo por uma bolsa

A jovem de 22 anos fez a compra em um site de produtos falsificados da China, pois achou confiável e um bom negócio, se fosse comparar com o preço da bolsa original.

Se ela fosse comprar a bolsa verdadeira na cidade em que mora, Waldshut-Tiengen, ela pagaria em torno de 1.500 euros. Já no site oficial da marca no Brasil, a mesma bolsa custa em torno de R$ 14 mil.

Entrar no grupo do Telegram

“Vi muita gente fazendo unboxing de compras do site no TikTok e achei confiável. Eu já tinha tentado achar pela internet um brechó ou local que vendesse a mesma bolsa com preço mais em conta, mas não encontrei. O site não especificava que era réplica, mas, pelos comentários, vi que era uma peça com qualidade”, contou Isabele ao site UOL Universa.

Publicidade

Não foi desalfandegamento – foi multa por pirataria!

Isabele só começou a notar que havia algo errado quando a bolsa que comprou estava demorando muito para chegar na sua casa. Então, pelo rastreio do produto, ela descobriu que a bolsa tinha sido parada na Alfândega.

“Comprei outros itens, como brincos e capinhas de celular. Todas as coisas chegaram em um mês. Menos a bolsa. Decidi rastrear e vi que estava na Alfândega”.

Ao entrar em contato para saber como proceder, ela foi informada de que receberia uma carta com a autorização para retirar a peça, mas não falaram nada sobre quanto isso lhe custaria.

Publicidade

Dito e feito. No dia 21 de abril a jovem recebeu uma carta, mas não foi da Alfândega pedindo para pagar uma taxa de desalfandegamento. Para a surpresa de Isabele, a carta era da própria Louis Vuitton, da unidade da empresa que fica em Hamburgo, na Alemanha.

Na carta, a empresa informou que, até o dia 6 de maio, Isabele deveria pagar a multa e a bolsa falsa seria queimada. Ou seja, ela perdeu o valor da compra, a bolsa e ainda teve que pagar por ter comprado produto falsificado.

A jovem alegou que não conhecia as leis do país

“Eu não conhecia as leis na Alemanha: aqui realmente não pode nem vender nem comprar peças piratas. Eles são bem rígidos. Não sabia que era ilegal”, disse. “Vou ter que pagar a multa e, no fim, fiquei sem a bolsa.”

Publicidade

Isabele ressaltou, na entrevista, que poderia ter problemas caso se recusasse a pagar a multa.

“Se eu não pagar, o que acontece é que a multa vem mais alta a cada mês, por causa dos juros, e meu nome pode ficar sujo, cair na ‘malha fina’. Eventualmente, isso impediria de ter conta em banco, fazer contrato de aluguel, entre outras coisas. E, se eu não tivesse dupla cidadania, também poderia ter problemas com o visto.”

Fica agora a lição para ter mais cautela quando estiver fora do Brasil e quiser fazer compras on-line. “A lição que tirei disso tudo é que não vou mais comprar réplica nem aqui nem no Brasil. Vou comprar o que tiver no meu bolso”, finalizou a jovem.

Publicidade

Veja também: Nome sujo no Serasa: como pesquisar e resolver?

Fonte: UOL Universa

igreja

Pastor da Igreja Universal é indenizado após ser forçado a fazer vasectomia