motorista
Imagem: Reprodução
em

Motorista de aplicativo atropela mulher que não quis cancelar corrida

A mulher foi pedir para o motorista cancelar a corrida, mas ele se recusou, deu a ré e a atropelou, fugindo do local

Publicidade

Assim como existe o mau passageiro, existe o mau motorista de aplicativo, infelizmente. Em Suzano, São Paulo, um motorista do aplicativo 99, que não teve sua identidade revelada, atropelou de propósito uma cliente que não quis pagar pela corrida que o próprio homem se recusou a fazer.

Maira Lino, que trabalha como motogirl, ajudava a filha, o genro e as duas netas a irem embora de sua casa em um carro solicitado na plataforma 99. Quando o carro chegou, o genro de Maira, Tiago Lopes, tentou colocar um carrinho de bebê vazio no porta-malas do veículo.

No entanto, o motorista não gostou da ideia, pois disse que o carrinho iria estragar o tampão do carro. Foi aí que o motorista se alterou e agiu de forma criminosa com a família, fugindo do local logo após o atropelamento.

Veja também: Alerta para os casos de dopagem de passageiros em aplicativos de transporte

Publicidade

“A gente viu que o motorista estava falando alguma coisa lá de dentro. Aí ele falou: ‘Não é pra colocar, não’. A gente respondeu: ‘Não entendi’. Aí ele desceu do carro e falou: ‘Não, tem que tirar, porque vai estragar o tampão do meu carro’. Aí a gente explicou que até fechou direitinho (o porta-malas), mas tudo bem, meu esposo tirou o carrinho e nós sugerimos de colocar no banco da frente, já que ainda não pode transportar passageiro e ele ia vazio”, contou Letícia Ferreira, filha da vítima, ao UOL, ressaltando as regras estabelecidas durante a pandemia pelos aplicativos de transporte.

Sem poder conversar com o motorista sobre as alternativas para o transporte do carrinho, os clientes pediram para que o motorista cancelasse a viagem, mas ele afirmou que a família é que deveria arcar com o prejuízo do cancelamento.

Entrar no grupo do Telegram

“Foi quando a gente ficou na calçada aguardando e ele entrou no carro e foi colocando o cinto. Minha mãe encostou na janela e disse: ‘Você pode, por favor, cancelar a corrida? Já que o senhor está se recusando a levar eles por causa do carrinho, não é justo que a gente pague a taxa se é o senhor que não quer levar’. Aí ele olhou pra cara dela e disse: ‘Eu não cancelo nada, eu cancelo se quiser’. Começou a ser totalmente ignorante e falar com a gente com grosseria. Foi quando ele foi pra frente com o carro e depois deu ré”.

Publicidade

Maira, que conversava com o homem pela porta do passageiro, que estava aberta, bateu contra o vidro quando o motorista deu ré. Câmeras de segurança registraram o momento do impacto, que deixou a mulher caída no chão.

“Eu fui de encontro ao carro, mas, como ele deu ré, ele quase me atropelou, com a minha bebê no colo. E depois ele foi embora, saiu em disparada. Meu esposo tentou ir atrás dele, porque a rua da minha mãe é uma rua sem saída, mas ele fez o retorno, passou pela gente e não prestou nenhum socorro”, afirmou Letícia.

Publicidade

Ela e o irmão abriram denúncias na Polícia Militar, Polícia Civil e na própria 99. Em nota ao UOL, a 99 afirmou que “lamenta o caso e que, assim que tomou conhecimento, mobilizou uma equipe para apurar a denúncia e oferecer o suporte necessário para os usuários”.

Veja também: Motorista de aplicativo expulsa passageira do carro após fala racista

Fonte: UOL Notícias

Publicidade
supercola

Menina de 2 anos grudou olho com supercola e esperou 5 dias por cirurgia