holocausto
Imagens: Reprodução Arquivo Pessoal

Sobrevivente do holocausto encontra família 80 anos depois

A vida seguiu e, aos 80 anos de idade, ela descobriu que tinha uma grande família para conhecer.

Publicidade

Quando Alice Grusová era bebê, seus pais a deixaram no banco de uma estação de trem, sem saber o que seria dela. O motivo? Tentar salvá-la do holocausto.

Era junho de 1942 e este foi o último ato desesperado de Marta e Alexandr Knapp para salvar sua filha, pois sua tentativa de escapar do que era, até então, a Tchecoslováquia, terminou em desastre.

O casal havia fugido de Praga, mas, quando o trem chegou a Pardubice, no leste da Boêmia, soldados nazistas embarcaram em busca de judeus em fuga. Era o holocausto e seus horrores.

Veja também: Anos após ser vendido pelo pai, homem reencontra família

Publicidade

Grusová – seu nome de casada – nunca mais viu seus pais. Eles foram presos e enviados para o campo de concentração de Theresienstadt, de onde foram deportados para Auschwitz e assassinados. Seu irmão, do casamento anterior de seu pai, também foi morto lá.

Os pais e o irmão de Grusová – Arquivo Pessoal

Poderia ter sido o destino de sua filha pequena também, se não fosse por suas apostas de alto risco. Este ano, Grusová comemorou seu 81º aniversário – assim como seu 60º aniversário de casamento com o marido Miroslav. Morando em Praga, eles têm três filhos, seis netos e três bisnetos.

Isso, ela sempre sentiu, era a soma total de sua família, mas no início deste ano a enfermeira pediátrica aposentada viajou para Israel, onde se reconectou com sua herança judaica e conheceu seu único primo de primeiro grau sobrevivente – bem como uma família que ela não sabia que existia.

Publicidade

“Fiquei muito chocada quando descobri, aos 80 anos, que tenho uma família tão grande”, disse ela em uma emocionante videochamada com a CNN.

“Estou triste por isso não ter acontecido antes”, acrescentou Grusová, que, depois de sobreviver à época do holocausto, lutou contra um câncer, uma hepatite e uma cirurgia na coluna.

O reencontro ocorreu graças aos esforços de uma curiosa a 8.000 quilômetros de distância, na África do Sul, durante os estágios iniciais da pandemia. A incrível história foi agora compartilhada pelo site de genealogia online MyHeritage.

Publicidade

Veja também: Mãe biológica doou filho e o reencontrou 20 anos depois

Com tanto da vida em espera, Michalya Schonwald Moss mergulhou na história de sua família no MyHeritage. Ela sempre soube que sua família havia sido dizimada no Holocausto, mas nada a preparou para a descoberta de que 120 de seus parentes foram assassinados em Auschwitz.

No entanto, da escuridão inimaginável, surgiu um pequeno e inesperado raio de esperança. Com a ajuda de genealogistas profissionais na Eslováquia e em Israel, ela desenterrou a incrível história de uma sobrevivente do holocausto: Grusová.

Publicidade

Tendo sido encontrada no banco da estação, a menina de um ano foi inicialmente colocada em um orfanato. Grusová, que não se lembra de seus pais, foi posteriormente transferida para Theresienstadt.

Ela relembrou: “Havia uma mulher simpática que cuidava de nós. Só me lembro de vislumbres daquela época. E então me lembro de quando fiquei doente com febre tifoide e os trabalhadores de lá tiveram que me proteger dos alemães. Lembro que eles estavam me dizendo para ficar em silêncio ou os maus alemães viriam e nos matariam.”

Incrivelmente, ela sobreviveu e, depois da guerra, se reuniu com a irmã mais nova de sua mãe, Edith – ou Editka como ela a chama – que sobreviveu a Auschwitz sendo transferida para um campo de trabalhos forçados.

Publicidade

Com a voz embargada de emoção, Grusová lembrou-se de sua tia, que, como muitos sobreviventes de campos nazistas, tinha seu número de identificação tatuado no braço. Ela disse: “Ela era tão bonita, ela era magra, ela tinha a tatuagem. Mas eu não entendia isso na época.”

Veja também: Reencontro 69 anos depois: mãe achava que filha tinha nascido morta

No início, as duas viveram juntas na Tchecoslováquia, mas, em 1947, sua tia emigrou para o que era então a Palestina. Por razões que ainda não estão claras, Grusová foi deixada para trás e colocada para adoção.

Publicidade

“Eu tinha seis anos quando minha tia deixou a Tchecoslováquia e vim para meus novos pais”, disse ela.

“Quando criança, fiquei muito triste com a partida de minha tia. Não entendia por que ela não me levava com ela. Fiquei em contato com ela por um tempo. Ela se casou e teve um filho, que vi pela última vez em uma foto quando ele tinha dois anos. Mas a correspondência acabou e, em 1966, nos perdemos”, disse ela.

Grusová nunca soube o que aconteceu com sua tia – até que seu filho, Jan, que fala inglês, traduziu um e-mail surpreendente que seus pais receberam de Schonwald Moss em 2021. Ele e sua esposa passaram anos tentando rastrear o primo de sua mãe, sem sucesso.

Publicidade

Mas, com a ajuda de pesquisadores profissionais, Schonwald Moss não apenas descobriu a incrível história de Grusová, como também encontrou aquele primo – o filho de Edith, Yossi Weiss, agora com 67 anos e morando na cidade israelense de Haifa.

Weiss e Grusová “se conheceram” online no ano passado, ao lado de outros membros da recém-descoberta árvore genealógica. Weiss não sabia nada sobre sua prima, e sua própria vida foi arruinada pela tragédia – tendo perdido sua mãe e seu filho para o suicídio.

Veja também: Amigas que se conheceram em navio há 75 anos se reencontram

Publicidade

Durante o verão, Grusová voou para Israel com seu marido, seu filho Jan e sua esposa Petra para encontrar Weiss e membros de sua família mais ampla, incluindo Schonwald Moss, que viajou da África do Sul para a ocasião.

Imagens: Reprodução Arquivo Pessoal

Grusová disse à CNN: “Eles queriam me conhecer e vir me visitar, mas meu primo está com câncer e não pode viajar. Eu estava com medo da longa jornada na minha idade. Agora estou tão feliz por ter ido. Só estou triste por isso não ter acontecido antes. Se não fosse por Covid, eu nunca teria descoberto que tenho uma família tão grande.”

Grusová – que não fala nem hebraico nem inglês – se comunicou com seus novos parentes por meio de um intérprete. Juntos, eles visitaram o túmulo de sua falecida tia, o museu Theresienstadt e o World Holocaust Remembrance Center em Yad Vashem, onde ela gravou seu testemunho pessoal e também foi filmada para um canal de notícias israelense.

Publicidade

Compartilhado de Erie News Now

PODE GOSTAR TAMBÉM

agrotóxicos

Estes 6 alimentos são cheios de agrotóxicos: cuidado!

AVC

Implante inédito faz paciente de AVC voltar a se comunicar