Processado por cliente, salão de beleza é condenado por danos morais
Crédito: Freepik
em

Processado por cliente, salão de beleza é condenado por danos morais

Conheça esse intrigante processo e saiba quando se pode levar um salão de beleza à justiça

Nem sempre o corte de cabelo corresponde às expectativas da pessoa, na realidade, em poucas vezes isso acontece. Mas será que é caso para processo? Confira o caso da mulher que processou salão de beleza em Brasília e saiba quais são as situações que podem servir de pretexto para esse tipo de ação.

Mulher processa salão em Brasília – e ganha

Em uma decisão rara, o salão foi condenado pela justiça a pagar R$ 3 mil por danos morais, cabendo recurso por parte do estabelecimento. A pergunta que fica é: por que isso aconteceu?

Em uma tentativa falha na hora de tingir o cabelo da cliente, seus fios ficaram elásticos e quebrados. Para piorar a situação, ela saiu do salão com o couro cabeludo machucado, o que gerou muito incômodo, além do constrangimento social.

É o famoso corte químico, que pode acontecer se o profissional utilizar produtos inadequados ou fizer a técnica errada. Também pode acontecer o corte químico em cabelos muito danificados, que não resistem ao processo. Cabe ao profissional avaliar e dizer se há a possibilidade de fazer, o que não aconteceu no caso dela.

Inspire-se: cortes de cabelo curto para mulheres com mais de 60 anos

Quando é possível processar um salão

Para se processar um salão de beleza, não é apenas um motivo pequeno que pode gerar tais resultados. Afinal, muitas pessoas imaginam que se o corte não ficar que nem elas esperam que fiquem, isso já é motivo para processo. A melhor coisa a fazer nesses casos é esperar crescer e mudar depois, indo a outro profissional, mais confiável.

O estabelecimento não tem como corresponder a todo instante a diferentes gostos e colocar na realidade uma expectativa. Então nem sempre se pode processar um salão de beleza. Veja então as possíveis causas para se abrir um processo, dependendo das circunstâncias envolvidas.

Erros motores

Como assim erros motores? Ao tratar desses tipos de erros, é importante que se tenha em mente que são falhas que levam danos físicos à pessoa. Então, um exemplo é se o profissional errar e picar um pedaço da orelha com a tesoura ou então provocar arranhões com a máquina, o que pode gerar leves sangramentos.

Danos no couro cabeludo

É possível que em alguns procedimentos realizados no salão haja danos provocados no couro cabeludo. Geralmente, eles ocorrem pela aplicação de algum produto químico que danifique essa região, por conta de sua acidez elevada que desequilibra o pH natural da área ou causando queimaduras mais severas.

Danos morais

No caso de o corte fazer a pessoa passar por algum constrangimento em uma situação importante é cabível que se entre com um processo contra o estabelecimento. Desse modo, em casos de erros graves antes de compromissos, como casamento, palestras e entrevistas de emprego, são passíveis de serem causas de um processo.

Uma dica importante é que, antes de entrar com um processo, você negocie com o cabeleireiro para chegarem a um acordo, já que um caso na justiça pode demorar meses para ser finalizado. Caso não cheguem a esse acordo, você poderá entrar com um processo na justiça comum.

Se o processo for mesmo a saída encontrada, é importante que se tenha evidências acerca do caso. Para isso, reúna fotos, vídeos, notas fiscais e outras ferramentas que colaborem no andamento do processo e contrate um bom profissional.

O que faz os japoneses devolverem tudo o que não é deles

O que faz os japoneses devolverem tudo o que não é deles?

Passageiro brinca que tem coronavírus e avião faz pouso de emergência

Passageiro brinca que tem coronavírus e avião faz pouso de emergência