prosopagnosia o que é
Crédito: Freepik
em

Prosopagnosia: como é viver sem a capacidade de reconhecer rostos

Imagine nunca conseguir reconhecer as pessoas à sua volta apenas pelo rosto, e nunca reconhecer a si mesmo

As pessoas que têm prosopagnosia não são capazes de reconhecer parcial ou totalmente o rosto de conhecidos, mas não perdem a capacidade de memorizar seus nomes, emoções, sentimentos e demais características individuais.

O que acontece é que a área cerebral envolvida no reconhecimento de faces é separada daquela responsável pelo arquivamento de nomes próprios, objetos e localizações, e é mais complexa. Encontra-se no Lobo Occipital, em uma região chamada área fusiforme da face. Pessoas que possuem comprometimento nesta região, apresentam incapacidade do reconhecimento facial, mesmo quando é familiar.

Uma história real de uma artista com prosopagnosia

Um exemplo de vida vivida com prosopagnosia é da artista alemã Carlotta. Ela nunca foi capaz de reconhecer rostos, nem mesmo o dela própria diante do espelho. O seu trabalho enfrenta a sua condição: ela é desenhista de autorretratos de rostos que ela não consegue imaginar. Esse virou o seu propósito como artista.

Carlotta não precisa de muita luz no ambiente quando senta para desenhar. Ela apenas deixa o desenho fluir das suas mãos para o papel. “É sempre uma surpresa quando vejo meus desenhos à luz do dia”, diz ela.

Os desenhos dela podem não fazer sentido para a maioria das pessoas, pois vivem em um universo lógico. Mas, para Carlotta, tudo é possível, já que ela não se prende às barreiras do que vê. Ela imagina rostos de todos os tipos, com mais cabeças, mais olhos, um diferente do outro, pessoas únicas, pois não há rostos registrados em sua memória.

Quando se vê no espelho, ela pensa: “A mulher que está olhando para mim está de camisola e no meu apartamento, então deve ser eu”.

Crédito: Corso Film via BBC

Antes de ser diagnosticada, Carlotta já sabia que algo era diferente na visão de mundo que ela tinha. Quando ainda era criança, em Munique, na década de 1960, ela já vivenciava a condição e estava em fase de percepção do mundo à sua volta.

“Quando eu fazia compras com minha mãe ou ia ao consultório do médico, encontrávamos pessoas que minha mãe claramente reconhecia, mas eu não fazia ideia de quem eram. Fiquei surpresa que minha mãe pudesse fazer isso. Achei que era um dom incrível que ela tinha, de reconhecer outras pessoas.”

Alguns probleminhas também aconteciam pelo fato de ela nunca conseguir identificar as pessoas pela fisionomia, como ficar esperando a mãe do lado de fora de uma loja e acabar indo atrás de outra pessoa. Ela não conseguia saber, só ao olhar, quem era a sua mãe.

“Pensei que provavelmente fosse um problema comigo, que não estava me concentrando o suficiente.”

Então ela se baseou em outras pistas. “Comecei a perceber que roupa as pessoas usavam, a forma como andavam, a voz ou se usavam óculos. Cada um tem a sua forma de respirar e de se movimentar, o farfalhar das roupas — e é assim que tento identificar pessoas”.

Quando a pequena Carlotta foi para a escola, ela viu que aquele dom que sua mãe tinha não era exclusivo. Todas as crianças também tinham. Foi um choque. “Foi muito difícil, porque o segredo de reconhecer o rosto de outras pessoas que minha mãe tinha, percebi que outras crianças também tinham”, diz ela.

Mesmo sabendo que havia algo diferente com ela, Carlotta não disse nada aos pais. Ela achava que reconhecer rostos era uma habilidade que ela aprenderia com o tempo, e que isso era normal. Mas, ao mesmo tempo, precisava começar a treinar. Então, ela passou a fazer anotações das características de cada professor para ser capaz de reconhecê-los.

Naquela época a escola podia ser ainda mais dura com as crianças. Por causa da sua incapacidade de reconhecer rostos, Carlotta era vista como uma menina burra e muito distraída. Os professores a humilhavam diante da turma, como se aquilo fosse fazê-la melhorar; como se a sua condição fosse mera preguiça.

Se os professores faziam isso, as crianças achavam que também podiam fazer. O bullying era presença constante na vida da menina, que começou a se isolar.

“Não dizia nada em voz alta. Apenas fazia o meu trabalho escrito e não participava realmente das aulas.”

Depois que saiu da escola, Carlotta começou a procurar empregos que fossem o mais solitários possível, longe do contato com as pessoas. Ela foi cavalariça, caminhoneira, betoneira e até projecionista de filmes.

“Esse problema que tenho com rostos é realmente muito específico para humanos. Rostos de animais ou alienígenas eu acho muito fácil de reconhecer. Isso não se aplica, porém, aos chimpanzés; eles são muito semelhantes aos humanos.”

A vida foi levando Carlotta a viver grandes experiências. Com 20 e poucos anos ela finalmente conseguiu se isolar do mundo. Navegou sozinha pela costa australiana durante um ano, lendo e pescando para comer.

Foi só quando já tinha mais de 40 anos de idade que ela, finalmente, descobriu o que tinha ao ler uma revista.

“Simplesmente folheei e esta palavra, ‘prosopagnosia’, se destacou. Gosto de palavras incomuns, então continuei lendo, e vi que eles descreviam esta condição chamada cegueira facial”.

“Foi o momento mais extraordinário, porque representou a liberação de todos os meus fardos. Para finalmente ter um nome para essa coisa, e poder dizer: ‘Não sou burra. Não é que eu não esteja me concentrando bem. É uma condição genética, e eu não posso fazer nada sobre isso.”

Essa condição pode afetar profundamente a vida de uma pessoa, que passa a evitar o contato social e a desenvolver problemas como a depressão. Carlotta deixa a sua frustração sobre a falta de preocupação das pessoas que a cercavam quando criança:

“Minha raiva estava relacionada ao fato de que ninguém ao meu redor havia reconhecido o que estava acontecendo e que ninguém tinha sido capaz de me dizer que eu tinha um problema genético.

Espero que os professores de hoje sejam um pouco melhores em entender as crianças e, muitas vezes, há psicólogos nas escolas que podem identificar esses problemas, mas estou falando de quando eu estava na escola há 50 anos, e os professores eram completamente indiferentes ao que estava acontecendo comigo.”

“Acho que se alguém tivesse sido capaz de reconhecer o que estava acontecendo, teria feito uma grande diferença em minha vida.”

Carlotta tinha sido adotada. Sua mãe, biológica, Susanne, era apenas 15 anos mais velha do que ela. Carlotta conhecia sua mãe, mas pensava que fosse sua tia. Em um dia, já na vida adulta, mãe e filha se encontraram e conversaram. Susanne contou que também tinha dificuldade em reconhecer rostos, embora não fosse com a mesma gravidade. A prosopagnosia é uma doença hereditária.

Crédito: Corso Film via BBC

Para Carlotta, a arte surgiu como uma forma única de ver o mundo através da sua ótica “cega”.

“O rosto é uma paisagem acidentada pela qual viajo com o dedo e transformo em um desenho bidimensional. Não é tão fácil, porque não consigo ver o que estou fazendo. A arte foi definitivamente catártica para mim — sem ela, eu não estaria onde estou agora. Ao fazer arte, e às vezes também destruí-la, fui capaz de lidar com muitas emoções e dificuldades que vivi na minha infância, e agora não as carrego mais comigo.”

Agora ela sabe que é capaz de reconhecer as pessoas de uma forma muito mais profunda. Ela não reconhece feições faciais, mas reconhece sentimentos, emoções e a pessoa como um todo.

Com informações de G1

empresário cresceu fazendo bolos mesmo com a mão machucada

Mesmo com a mão machucada, empresário não desistiu de fazer bolos para vender

estudantes escrevem cartas a profissionais de saude

Professora convida estudantes a escreverem cartas agradecendo profissionais de saúde