em

Parkinson: que doença é essa, quais os sintomas e tratamentos?

Já percebeu como aumentou o número de casos de Parkinson nas pessoas idosas? É bom entender o básico sobre a doença.
Parkinson
Designed by Freepik

A doença de Parkinson ou mal de Parkinson tem esse nome em homenagem ao Dr. James Parkinson, que foi o primeiro médico a fazer registros sobre ela, no ano de 1817.

Embora seja bicentenária, ainda desafia a ciência por conta da diversidade de sintomas. Ao mesmo tempo, cada vez mais pessoas são diagnosticadas e precisam encontrar a melhor maneira de conviver com a doença.

Continue lendo para saber por que a doença acontece, quais são os sintomas, como é feito o diagnóstico e quais são os tratamentos.

O que é Parkinson?

O mal de Parkinson é uma doença neurológica, progressiva e crônica. Quando ela atinge o sistema nervoso central, compromete vários movimentos do corpo.

A maior incidência dela é em pessoas idosas, com o surgimento dos primeiros sintomas apenas por volta dos 55 e 60 anos de idade. Com o passar do tempo é que os sintomas ficam mais sérios, causando dificuldades motoras e os famosos tremores.

Para compreender melhor como o Parkinson acontece, é preciso saber que, quando as células nervosas do cérebro enviam sinais de movimento para os músculos, elas precisam da dopamina. É esta substância química que vai controlar a intensidade do envio dos movimentos.

Mas quando as células nervosas que produzem a dopamina começam a ser destruídas de forma progressiva, aquelas que enviam os sinais de movimento ficam também sem controle.

Como resultado, a pessoa começa a sentir dificuldade de se movimentar e o quadro evolui gradativamente até a perda da função muscular. Esse é o Parkinson. Mas, como essa ação de destruição surge? Eis a questão!

Sintomas de Parkinson

Os sintomas de Parkinson possuem um certo padrão, no entanto também variam muito em cada paciente. Os iniciais mais comuns costumam ser: a lentidão nos movimentos e os tremores nas mãos.

Os pacientes com o mal demoram para perceber que estão sintomáticos. Devido a idade em que costuma dar os primeiros sinais, as pessoas tendem a achar que estão só envelhecendo, porque se sentem mais “travadas” e fracas.

Quando algum familiar ou amigo comenta que está percebendo esses sintomas, é bom dar atenção. Se perceber também que a sua letra diminui de tamanho, procure um médico e fale sobre essas pequenas mudanças.

Os sintomas poderão estar mais avançados quando a pessoa se der conta que há algo errado. Pode sentir rigidez nos músculos, movimentos curtos, dificuldade para engolir, lentidão para falar, dores sem motivo aparente pelo corpo e tontura, por exemplo.

Diagnóstico de Parkinson

O diagnóstico é feito por meio de exames físicos, neurológicos e da análise do histórico do paciente, bem como dos sintomas que apresenta. Como há um leque de sintomas a analisar, o médico pode solicitar diferentes tipos de exames que ajudem a descartar mais doenças.

Outro teste para definir o diagnóstico é iniciar o tratamento com a medicação carbidopa-levodopa. Se o paciente mostra melhoras, quer dizer que é mesmo Parkinson e os sintomas já estão sendo controlados.

Mesmo assim é importante que o paciente continue visitando seu médico periodicamente para acompanhar o estágio de evolução da doença e alinhar o tratamento adequado.

Tratamento mal de Parkinson

Depois de feito o diagnóstico, o médico determina o tratamento da doença conforme a necessidade de cada paciente. Pode ser com medicamentos, psicoterapia ou cirurgia, em casos mais específicos.

O medicamento para o mal de Parkinson é à base de agentes neuroprotetores na tentativa de parar a degeneração das células produtoras de dopamina. Quando é recomendada a psicoterapia, é porque o caso do paciente envolve perda de memória, depressão e quadros de demência.

O estilo de vida do paciente também pode ser adaptado em favor da sua saúde. Estimular o corpo a fazer movimentos pode retardar alguns sintomas.

Exercícios físicos e atividades como artes manuais são boas terapias, de preferência feitas em grupo para obter também os benefícios do convívio social.

Parkinson tem cura?

Assim como não se sabe a causa exata do aparecimento do Parkinson do organismo, não se sabe como curar. Mas o tratamento tem o objetivo de controlar os sintomas, junto com as mudanças no estilo de vida do paciente.

O médico continua acompanhando a evolução – ou da doença ou do tratamento – para adaptar ao que for mais eficiente para cada paciente.

Estimular o cérebro com atividades cognitivas é um ótimo tratamento para os pacientes com Parkinson.

Mãe da apresentadora Xuxa sofreu com a doença

E este foi o caso de Alda Menegel, mãe da apresentadora Xuxa Menegel, que também sofria deste mal. E aos 81 anos, no dia 08 de Maio de 2018, faleceu em sua casa.

O desabafo e relato da Xuxa, nas suas redes sociais é algo que muitas famílias se identificam, devido a progressão da doença e como ela se manifesta:

Tem alguns anos que minha Aldinha não pode mais nos beijar ou abraçar. Tem alguns anos que a minha guerreira está fazendo de tudo para ficar aqui com a gente. (…) Tem alguns anos que eu peço um milagre.“, escreveu.

Veja o que o neurologista tem a dizer sobre o assunto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0
Comentários
infectologista
Você sabe o que faz um infectologista e por que ir nele?
gastroenterologia
Gastroenterologia: do que trata essa especialidade?