oligodrâmnio
Crédito: Freepik
em

Oligodrâmnio na gestação: saiba o que é o que fazer

Toda gestante deve fazer seu pré-natal completo para evitar complicações ou permitir que problemas sejam tratados com eficácia

Uma gestação é a realização de um grande sonho na vida de muitas mulheres. Mas, para algumas, também é motivo de grandes preocupações, afinal de contas, embora seja o processo natural da concepção da vida, também é um período delicado e cheio de surpresas. Uma das alterações que podem ocorrer ao longo de uma gravidez é o oligodrâmnio. Se você nunca ouviu falar nesse termo, descubra agora do que se trata.

Veja também: os riscos de problemas de tireoide na gravidez

O que é?

O oligodrâmnio está relacionado com o líquido amniótico. Toda gestante que está fazendo o seu pré-natal adequadamente sabe que o líquido amniótico tem funções cruciais durante o período gestacional. Conforme explica a Dra. Juliana Alzuguir, do CordVida, as duas principais funções desse líquido são proteger o bebê e auxiliar no seu desenvolvimento.

Ele protege contra choques externos, contra a compressão umbilical (evitando a interrupção do fornecimento de oxigênio e nutrientes ao feto) e contra bactérias presentes na vagina e no ambiente externo ao útero de modo geral.

Também favorece o desenvolvimento dos pulmões, do sistema digestivo, dos músculos e ossos. Por fim, o líquido faz com que a temperatura intrauterina seja constante durante toda a gestação.

A quantidade desse líquido dentro do útero varia de acordo com o tempo de gravidez. Ele vai aumentando até por volta das 36 ou 37 semanas, chegando a 800 ml a 1 litro. Depois, começa a reduzir para preparar o bebê para o nascimento, de forma gradual.

Com relação ao líquido, de modo geral podem ocorrer duas alterações. A oligodramnia, assunto em questão, é quando ocorre a diminuição do líquido amniótico antes do tempo esperado ou em quantidade muito maior do que a esperada. Outra alteração é a polidramnia que o oposto, ou seja, o aumento de líquido em quantidade elevada ao normal.

Quais são as causas?

sobre riscos oligodrâmnio
Crédito: Freepik

Existem algumas hipóteses válidas para que esse problema ocorra:

  • A desidratação;
  • Ruptura parcial de membranas;
  • Alterações na placenta;
  • Alterações nos rins do feto que dificultem sua produção normal de urina;
  • Determinadas medicações que a mãe esteja usando, como alguns hipertensivos e anti-inflamatório.

Quais são os riscos para o bebê?

Devido às funções do líquido amniótico na gestação, o oligodrâmnio pode trazer alguns prejuízos ao bebê no sentido da maturação dos ossos e do tecido muscular. Também pode prejudicar a maturação pulmonar, resultando em algum tipo de problema respiratório no nascimento.

A título de curiosidade, no caso de ocorrer a polidramnia, as principais causas são o diabetes da mãe, doenças cromossômicas no feto (como síndrome de Down), alterações no sistema nervoso do feto e por incompatibilidade RH entre mãe e feto. Como consequência, há o risco de parto prematuro ou complicações no parto vaginal.

O que fazer a respeito?

Ele pode ser detectado através de um simples exame de ultrassom. Por isso que é essencial a gestante fazer todas as suas consultas de pré-natal até o final da gravidez. Quando o obstetra identifica o problema, são tomadas as devidas providências para que haja o menor prejuízo possível à saúde do bebê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0

Comentários

como organizar o banheiro

8 Dicas de como organizar o banheiro pequeno

casamento duradouro lilia cabral

Segredos para um casamento duradouro: 3 dicas da atriz Lilia Cabral e mais