historia de saroo
Crédito: Reprodução
em

A história do menino que se perdeu e conseguiu encontrar sua antiga casa depois de 25 anos

A vida do pequeno Saroo tomou um rumo que ninguém poderia imaginar

Algumas histórias da vida real se parecem mais com um enredo de filme, pois envolvem muitas emoções. Imagine o que seria da sua vida se você tivesse apenas cinco anos de idade e, num piscar de olhos, se visse sozinho no mundo, completamente perdido, sem rumo. Sentiu o drama? Então conheça a história Saroo, um indiano que foi levado pelo destino.

Essa história começa na Índia, há cerca de 25 anos anos. Saroo estava viajando com seu irmão mais velho, trabalhando como varredor em trens na Índia.

“Era tarde da noite. Saímos do trem e eu estava tão cansado que me sentei em uma estação de trem e acabei caindo no sono. Achei que meu irmão fosse voltar e me acordar, mas quando acordei ele já estava fora de vista. Eu vi um trem à minha frente e pensei que deveria estar naquele trem. Então, decidi entrar naquele trem onde achei que encontraria meu irmão.”

No trem, o pequeno Saroo não conseguiu achar o irmão mais velho. Como ainda estava muito cansado, ele caiu novamente em um sono profundo e acordou 14 horas depois na cidade de Calcutá.

“Eu estava absolutamente assustado. Não sabia onde estava. Só comecei a procurar pessoas e a fazer perguntas. Era um lugar muito assustador. Não acho que nenhum pai ou nenhuma mãe gostaria que seu filho de cinco anos vagasse sozinho pelas favelas e estações de trem de Calcutá.”

Bem, Saroo não foi ajudado por nenhum adulto naquele momento. Estava sozinho no mundo, perdido e sem saber como voltar para casa. Logo, ele se tornou mais uma entre tantas crianças que pedem esmola das ruas de Calcutá.

O garoto, que mesmo com pouca idade, já conhecia um pouco da vida fora de casa por trabalhar nos trens com o irmão mais velho, começou a ficar ainda mais esperto. Um dia, um homem o prometeu comida, abrigo e uma volta para casa. Mas o menino ficou desconfiado da promessa e resolveu fugir. Fez muito bem! Ele estava aprendendo que não se pode confiar em quase ninguém.

Depois de algum tempo, Saroo foi para um orfanato e lá entrou para adoção. Ele foi adotado pelos Brierleys, um casal da Tasmânia. “Aceitei que estava perdido e não conseguia encontrar o caminho de volta para casa, então achei ótimo ir para a Austrália”.

Depois de muitos anos, embora Saroo estivesse bem adaptado em sua nova casa e com a nova família, ele ainda sentia muita saudades da família biológica. Porém, como era analfabeto quando se perdeu e pela pouca idade que tinha na época, não conseguia se lembrar nem do nome da sua cidade natal.

Mas, ele tinha a tecnologia ao seu dispor. Então, resolveu começar a fazer pesquisas pelo Google Earth para ver se conseguia voltar ao local onde toda essa história começou e reascender memórias visuais do seu passado.

O Google Earth o ajudou a voltar para casa

Ele adotou uma estratégia interessante para suas buscas: “Multipliquei o tempo que fiquei no trem, cerca de 14 horas, pela velocidade dos trens indianos e cheguei a uma distância aproximada, cerca de 1.200 km”.

Saroo desenhou um círculo em um mapa com o centro em Calcutá e com raio em torno da distância que ele pensou ter viajado. Foi assim que ele logo descobriu o que estava procurando: Khandwa. “Quando a encontrei, empurrei o computador para longe e explodi, simplesmente apareceu. Eu visitei virtualmente a cachoeira onde costumava brincar”.

Ele não pensou duas vezes e logo arrumou as malas para voltar à sua terra e procurar pela família biológica. Pelo caminho, muitas memórias foram aparecendo. Finalmente, ele encontrou sua própria casa no bairro de Ganesh Talai. Mas não era o que ele esperava.

“Quando cheguei à porta, vi uma fechadura. Parecia velha e surrada, como se ninguém estivesse vivendo ali por muito tempo”.

Ele então começou a perguntar pelos nomes dos familiares para os vizinhos. Todos disseram que a família de Saroo tinha se mudado. Mas, ele não poderia desistir. Perguntou para um, para outro, até uma terceira pessoa disse: ‘espere um minuto e eu volto’. E quando voltou depois de alguns minutos, disse: ‘agora vou levá-lo até sua mãe’.

“Eu me senti entorpecido e pensei: ‘Estou ouvindo o que penso que estou ouvindo?’

Dá para imaginar a emoção daquele homem adulto que, por dentro, tinha acabado de voltar aos 5 anos de idade para reencontrar sua mãe biológica.

“A última vez que a vi, ela tinha 34 anos e era uma linda senhora. Eu havia me esquecido que o peso da idade iria chegar para ela. Mas a estrutura facial ainda estava lá, eu a reconheci e disse: ‘Sim, você é minha mãe.’ Ela pegou minha mão e me levou para sua casa. Ela não conseguia me dizer nada. Acho que ela estava tão entorpecida quanto eu. Ela teve dificuldade para entender que seu filho, após 25 anos, havia reaparecido como um fantasma”.

Para a mãe de Saroo a vida não foi fácil ao longo desses anos todos. Um dos filhos estava perdido e, o outro, o irmão mais velho, tinha sido encontrado morto nos trilhos do trem um mês depois do sumiço de Saroo. Ninguém sabe se ele sofreu um acidente ou se foi um crime.

Mas, uma cartomante tinha dito à mãe dos garotos que ela ainda veria o seu filho mais novo nessa vida. Ela manteve esperança, assim como seu filho que estava na Austrália sonhando todos os dias com o momento desse reencontro. “Tirou o peso de mim. Agora durmo muito melhor”.

Você leu, lá no começo, que algumas histórias da vida real são tão emocionantes que mais se parecem com o enredo de um filme. Bem, foi exatamente o que aconteceu com essa história.

Com as memórias de “Quem Quer Ser Um Milionário?” ainda frescas, editores e produtores de filmes se interessaram pela incrível história de Saroo, então adaptaram sua história de vida para o cinema. O filme, que ganhou o nome de Lion, conta tudo o que o pequenino passou em busca do caminho de volta para casa. Assista ao trailer:

Crédito das imagens: Reprodução

ideias para transformar a pia da cozinha

10 Ideias para transformar a pia da cozinha

Em 30 anos, 99% das aves terão plástico nos estômagos

Em 30 anos, 99% das aves terão plástico nos estômagos