em

Jovem com Down está terminando a faculdade

Luísa está no último período do curso de Relações Internacionais e ainda cuida da avó

Jovem com Down está terminando a faculdade
Crédito: Instagram @t21.SindromeDeDown

Muitas pessoas têm uma visão errada sobre as pessoas com Síndrome de Down, acreditando que elas são incapazes, precisam de atenção especial o tempo inteiro e nunca vão conseguir ser independentes. Mas não é verdade, exemplo disso é Luísa, uma jovem com Down de 25 anos de Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela está terminando a sua faculdade, tem uma vida comum para as meninas de sua idade e ainda ajuda a cuidar da avó de 91 anos.

História

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Hoje foi um incrível, dia de tirar as fotos para a formatura em Relações Públicas.🎓 Estou indo para o último período de um sonho! Sonho de ser RP! Mais uma conquista hoje! Que venha o último período e a formatura! ❤️ Ser Síndrome de Down não impossibilita nada, apenas torna tudo mais incrível! Somos capazes de tudo! . . . . #formatura #relaçõespúblicas #cromossomo21 #sindromededown #downsyndrome #formandos2019 #faculdadepitagoras #expedição21 #superação #superacao #evoluir #desenvolvimento #conferp #conrerp #fotos #ensaiofotografico #inclusão #nolimits #amorsindromededown #faculdade #universidade #universitario #universidad #universities #cromossomo21 #cromossomodoamor #trissomia21 #somostodoscromossomo21 #somostodosiguais

Uma publicação partilhada por Luísa Camargos (@lusrcamargos) a

A jovem com Down teve um início de vida difícil, como qualquer pessoa com a sua condição, mas Luísa teve uma grande ajuda. Sua mãe Marisa trabalha em uma instituição filantrópica onde a jovem passou a maior parte da infância. Lá ela praticou esportes, teve aula de música e acompanhamento de psicólogos e fonoaudiólogos, o que ajudou Luísa a se desenvolver e ser a jovem que é hoje, além, é claro, do apoio que ela sempre teve da família.

Luísa é uma estudante do oitavo semestre do curso de Relações Públicas e atualmente está escrevendo o seu TCC. Ela se formará no meio do ano e ainda faz estágio na faculdade. Essa rotina tem deixado a jovem um pouco mais ocupada, mas ela não deixa de fazer o que gosta e viver a sua vida.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Todas as minhas manhãs são assim! Estudo os conteúdos da faculdade e faço os trabalhos que os professores mandam. A tarde vou para o estágio e à noite para faculdade. Aos sábados também estudo em casa! Este semestre está muito difícil porque é o último 🙌🏼 tenho varias matérias pesadas e TCC não é fácil, mas estou amando fazer o meu. Tenho ótimos professores e colegas na faculdade que me ajudam muito e tenho ótimas professoras que me ajudam em casa! A dedicação é total aos estudos mas a recompensa vem logo logo com a formatura no meio do ano! BACHAREL EM RELAÇÕES PÚBLICAS!!! 🎓❤️ A Síndrome de Down não me atrapalha em nada, luto por meus sonhos, por minha faculdade, minha vida profissional e minha carreira e estou quase vencendo! Nada é fácil mas todos nós com Down ou não devemos dedicar ao que queremos para ter nossas conquistas! . . . . #sindromededown #sdown #downsyndrome #downsyndrom #superação #motivação #inclusaosocial #especial #estudos #faculdade #universidade #rp #relacoespublicas #esforço #serdiferenteenormal #formatura #graduation #graduação #bacharel #blogueira #blogueirinha #vidanormal #exemplo #exemplodevida #t21 #cromossomo21 #cromossomodoamor #t21rocks #trissomia21 #trisomia21

Uma publicação partilhada por Luísa Camargos (@lusrcamargos) a

A jovem que é muito vaidosa e amorosa, adora sair com irmã e as amigas, sair para tomar uma cerveja e fazer a unha toda semana. Acima de tudo isso, Luísa é muito independente e inteligente: foi eleita a melhor aluna da sua turma na faculdade.

Uma das coisas que Luísa mais gosta de fazer é ajudar a mãe, Marisa, a cuidar de sua avó, dona Ana, de 91 anos. Não importa o quanto a vida da jovem esteja agitada, ela sempre arruma um tempo para ficar com a avó. Luísa ama a avó, alimenta-a e troca os seus curativos.

Essa não foi a primeira vez que Luísa fez o papel de enfermeira da família. Quando seu pai, Jorge, fez uma cirurgia no coração, Luísa ficou de acompanhante dele no hospital, cuidando do pai com o que ele precisasse.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Post lindo do @_midiamor ❤️❤️❤️ #repost @_midiamor . Uma história linda direto de Belo Horizonte, porque estamos todos precisando disso né?! 🙂 ⠀⠀⠀⠀⠀ “Essas duas lindas mulheres são Luísa, minha irmã, e Ana, minha avó. A Lú tem Síndrome de Down e ajuda cuidar com todo amor e carinho da vó Ana, que já tem 91 anos. 👧🏻👵🏼 Como vovó já está bem velhinha, ela fala pouco e bem baixinho e a Lu tenta entendê-la, tendo a maior paciência do mundo! Nesse vídeo, a Lu tava dando açaí e água pra ela, e perguntou: quer mais vó, doce ou água? Vovó respondeu bem baixinho que queria mais doce. 🍧😍 Minha irmã falou que tá treinando na Vovó, pra quando nossos pais estiverem velhinhos também! 😂 ♥️ A síndrome de Down não impede o amor. Pelo contrário, ela multiplica infinitamente e nos proporciona momentos lindos assim! Lu é um poço de amor sem igual!! É um privilégio sem fim poder tê-la do meu ladinho todo dia. Sou louca por ela!” 😍😭 ⠀⠀⠀⠀⠀ 🎥 @alicecamargos contando sobre @lusrcamargos ao @_midiamor

Uma publicação partilhada por Luísa Camargos (@lusrcamargos) a

Ser solidário é uma virtude que toda a família de Luísa carrega, que foi ensinado por Marisa e Jorge para as filhas. A família sempre faz o possível para estar disponível para os que precisam de ajuda, mas essa virtude é ainda mais natural em Luísa. Segundo sua irmã, Alice, Luísa é a melhor para cuidar dos outros, acolhendo quem precisa dela e sempre faz tudo com muito amor, carinho e dedicação.

Veja também: Modelo com Síndrome de Down é eleita embaixadora de marca de maquiagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…

0

Comentários

Irmãs baianas criam 'bafômetro' que detecta pelo menos 15 doenças

Irmãs baianas criam ‘bafômetro’ que detecta pelo menos 15 doenças

cabelo saudável

Como ter cabelo saudável com dicas simples