neta capta avós na pandemia
Crédito: Isis Medeiros
em

Fotógrafa capta solidão dos avós durante quarentena na zona rural mineira

O isolamento social é o oposto da vida que os idosos estavam habituados, e trouxe uma melancolia nunca antes vivida por eles

Antes da pandemia, a vida de Dona Terezinha, 92 anos, e seu Osvaldo, 93 anos, era muito diferente. Eles costumavam receber amigos e familiares com muita frequência em sua fazenda, localizada na zona rural de Canaã, cidade mineira com cinco mil habitantes.

Porém, desde fevereiro, o isolamento social fez com que a rotina deles mudasse, e para pior, por conta da solidão. A neta do casal, Isis Medeiros, que é fotógrafa e documentarista, resolveu então dar vida ao projeto Histórias do Meu Quintal, que retrata a nova rotina dos avós.

“O que mais me chamou a atenção foi como o isolamento e a pandemia afetaram a vida dos meus avós. É mais a questão do afeto mesmo, porque eles costumam receber muitas pessoas. E eles ficaram muito sentidos com a falta de visitas dos familiares, das pessoas que eles gostam. Isso trouxe uma tristeza muito grande”, contou Isis.

Com um olhar cheio de sensibilidade e afeto, Isis documentou momentos pessoais dos avós em casa, retratando a face da pandemia na vida de quem é considerado grupo de risco e precisa se manter longe das pessoas para se proteger.

“Dona Terezinha, que antes recebia com frequência os familiares, vizinhos e amigos aos finais de semana, agora só recebe visitas pela janela da fazenda centenária onde nasceu e passou toda vida“, descreve a neta.

As fotos da neta se tornaram um lindo material que deverá ser publicado em outubro pelo Instituto Moreira Salles.

“Dona Terezinha está acostumada com fartura, casa cheia e a cozinhar com os alimentos que produz no quintal. Tem sentido falta de fazer panelas cheias e servir nos almoços aos finais de semana. Há seis meses se mantém isolada na fazenda onde nasceu”, registrou a neta.

Mesmo antes da pandemia, Isis já tinha essa ideia de documentar a vida dos avós na fazenda para eternizar tantos momentos únicos da relação dos avós com as visitas, os vizinhos e com a terra.

Agora, com o isolamento, a neta resolveu permanecer na fazenda para cuidar deles, estreitar os laços, e viu a oportunidade de fazer esse material, porém apenas com os dois, em uma atmosfera que expressa os sentimentos do momento atual.

“Osvaldo passa horas do dia sentado contando histórias e falando da saudade das filhas e netos que não os visitam desde fevereiro. Sua maior companhia é a cachorrinha Nina, com quem passa maior parte do tempo junto”, contou Isis.

A família sempre foi grande. Juntos há 70 anos, dona Terezinha e seu Osvaldo tiveram oito filhas, e por isso estavam acostumados a muita fartura e casa cheia. Com a pandemia, chegou a tristeza, a melancolia e seu Osvaldo teve um AVC que resultou em 10 dias de internação.

“Ele não tem nenhum sinal de depressão, mas esta tristeza pode ter piorado a situação dele, sim. A solidão é o assunto mais recorrente entre eles. O maior medo dela é a solidão, o maior medo dele é a morte”, contou a neta.

Crédito das imagens: Isis Medeiros

Médico decide deixar linha de frente da pandemia

Médico decide deixar linha de frente da pandemia depois de ser apedrejado por família

pote de sorvete decorado

Artesanato com pote de sorvete: tutoriais + ideias para inspiração