em

Dieta flex: reduzindo a carne para emagrecer

Quer saber por que reduzir o consumo de carne e aumentar o de vegetais faz perder peso? Saiba tudo sobre a dieta flex.
benefícios da dieta flex
Crédito: Freepik

As dietas detox são muito procuradas por quem quer emagrecer com saúde, já que ao eliminar toxinas facilitamos a perda de peso. Elas podem sem complementares e durar por um curto período de tempo, como é o caso da dieta líquida, ou podem ser mais longas, como uma forma de iniciar uma reeducação alimentar para transformar o estilo de vida: neste formato está a dieta flex.

De modo geral, a base das dietas detox que levam naturalmente ao emagrecimento é a redução do consumo de lactose, glúten, carboidratos e proteína animal, e o aumento da ingestão de frutas, legumes, sementes, água e ervas.

Antes de aderir a qualquer tipo de dieta, a principal recomendação é que procure um nutricionista para fazer uma avaliação das necessidades do seu organismo em particular. Só assim será possível obter os resultados desejados. Agora, veja o que é e como funciona a dieta flex.

O que é a dieta flex?

A dieta flex consiste em reduzir o consumo de proteína animal e aumentar o de vegetais com propriedades desintoxicantes, grãos com proteína vegetal, leguminosas, oleaginosas e sementes. A proteína animal será consumida duas vezes na semana, não necessariamente na forma de carne, mas também de queijo, leite, iogurte, todos em versão light, e ovo.

De acordo com sua criadora, a nutricionista norte-americana Daw Jackson Blatner, essa dieta também é uma ótima maneira de iniciar uma transição para o vegetarianismo, especialmente para quem costuma comer carne diariamente, mas gostaria de conseguir substituí-la sem perder nutrientes essenciais para a saúde.

Benefícios da dieta flex

Ao criar a dieta, em 2009, Dra. Blatner lançou o livro A dieta flexível: a maneira mais vegetariana de perder peso, ser mais saudável, prevenir doenças e acrescentar anos à sua vida. Segundo ela, as pessoas que seguem a dieta flex pesam até 15% a menos do que pessoas que fazem dieta com mais proteína animal.

Outros dados de uma revisão de 87 estudos publicada no Nutrition Review em 2006, mostrou que vegetarianos têm uma taxa de obesidade que vai de 0 a 6% apenas, com peso corporal de 3 a 20% a menos comparado a quem come carne.

Seguindo a dieta corretamente, com orientação profissional, você irá reduzir a produção de radicais livres, que inflamam as células, diminuindo assim o risco de diabetes, doenças cardiovasculares e câncer, vai gastar mais gordura, além de ganhar mais energia e cerca de 3 anos a mais de vida.

Poderá perder 4 quilos ou mais em um mês, sem sofrer com restrições pesadas ou corte total da carne. Daí que vem o nome da dieta flex, pois é bastante flexível neste sentido.

Em um ranking avaliado por especialistas que compararam 40 tipos de dietas, a dieta flex ficou em terceiro lugar no sentido de ser uma das melhores à base de plantas, que beneficia o coração, a perda de peso, a prevenção do diabetes, o emagrecimento rápido e uma das mais fáceis de seguir.

Sugestão de cardápio da dieta flex

Ficou com curiosidade para saber o que se come na dieta flex? Veja uma sugestão de cardápio de 1.400 calorias com refeições vegetarianas equilibradas e as opções com proteína animal, que não têm nada de extravagante para custar caro, pode ficar tranquilo.

A dica é que um dos dias em que a proteína animal é liberada você deixe cair no final de semana para aproveitar um evento sem medo de recusar um churrasquinho. O que vale nessa dieta e começar a valorizar mais os vegetais e outras fontes de proteínas que não a carne em si, então cada um pode fazer ao seu ritmo.

Café da manhã
  • Opção 1: 200 ml de suco de morango natural sem açúcar + 3 pãezinhos de mandioca;
  • Opção 2: Suco feito com 2 laranjas + 2 folhas de couve + 1/2 cenoura + 1 pitada de pimenta caiena + 1 colher de chá de farelo de coco;
  • Opção 3: 200 ml de suco de abacaxi com gengibre + 1 tapioca recheada com 2 colheres de sopa de pasta de tofu ou de grão-de-bico e polvilhada com 1 colher de sopa de chia;
  • Opção 4 (com proteína animal): 1 xícara de chá verde + omelete feita com 2 claras e 1 colher de sobremesa de aveia.
Lanche da manhã
  • Opção 1: 1 fruta picada com 1 colher de sopa de granola sem açúcar;
  • Opção 2: 6 castanhas de caju + 1 pera;
  • Opção 3: 1/2 abacate com 1 colher de sopa de farelo de aveia e 1 colher de chá de açúcar de coco;
  • Opção 4 (com proteína animal): 1 pote de iogurte desnatado com 2 colheres de sopa de granola ou quinua em flocos;
Almoço
  • Opção 1: 1 porção de nhoque de mandioquinha ao sugo + 1 colher de sopa de soja cozida + salada de folhas verdes com tomate-cereja, couve-flor, salsão e rabanete à vontade;
  • Opção 2:  2 colheres de sopa de purê de batata-doce ou mandioquinha com salsa e pimenta dedo-de-moça + 1 colher de sopa de trigo inteiro cozido + 3 unidades de bolinho de grão-de-bico + salada de repolho com erva-doce, cenoura e pepino à vontade;
  • Opção 3: 1 concha média de feijão-branco temperado com cúrcuma + 1 xícara de brócolis refogados com alho-poró + salada de folhas verdes e tomate à vontade + 2 colheres de sopa de quinua.
  • Opção 4 (com proteína animal): 1 filé de frango ou peixe grelhado + 2 colheres de sopa de arroz integral + 1 concha média de feijão + salada de folhas verdes à vontade.
Lanche da tarde
  • Opção 1: 2 castanhas-do-Pará + 1 banana amassada com canela em pó;
  • Opção 2: 1 biscoito de arroz integral médio com 1 colher de sopa de pasta de amendoim light e 1 fio de mel ou pesto de manjericão;
  • Opção 3: 1 xícara de chá de hibisco ou outra erva de sua preferência + 3 torradas integrais com 3 colheres de sopa de geleia de fruta sem açúcar;
  • Opção 4 (com proteína animal): 2 torradas integrais com 2 fatias finas de queijo branco e orégano;
Jantar
  • Opção 1: 4 colheres de sopa de grão-de-bico com cebola, tomate e pimentão em cubos + papilote de cenoura, berinjela, abobrinha + brócolis no vapor;
  • Opção 2: 4 colheres de sopa de amaranto em grão ou cuscuz marroquino cozido com mix de cogumelos + 3 pegadores de espaguete de pupunha ou espaguete sem glúten e sem ovo com molho de tomate, pimenta dedo-de-moça e cúrcuma;
  • Opção 3: 1 tomate assado e recheado com arroz integral cozido, castanha de caju, salsa e noz-moscada + 1 prato fundo de sopa de abóbora, lentilha e rúcula;
  • Opção 4 (com proteína animal): 120 g de peixe grelhado + salada de folhas verdes à vontade + + 1 xícara de legumes no vapor.
Dica: Aprenda receitas saborosas

A dieta flex permite que você se adapte aos poucos e tenha muitas opções de refeições sem carne. Portanto, pode comer fora de casa, tomar uma bebida alcoólica de vez em quando e não precisa se culpar se fugir da regra algum dia. Precisa ser uma mudança de vida prazerosa, desde que se comprometa com o equilíbrio e o aprendizado.

Por isso, veja no vídeo abaixo opções bem apetitosas que refeições vegetarianas para se inspirar a começar:

Toda dieta deve ser orientada por um nutricionista, de acordo com o IMC, hábitos diários e necessidades nutricionais de cada organismo. As dicas deste artigo não substituem uma consulta ao médico para avaliação prévia, e qualquer efeito diferente do esperado deve ser informado ao seu médico ou nutricionista imediatamente.

Redigido por Priscilla Riscarolli

Graduada em Comunicação Social, decidiu trocar as campanhas publicitárias pela produção de conteúdo para inspirar as pessoas a enriquecerem suas vidas com mais informação, bem-estar e criatividade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Loading…

0
Comentários
lista de compras de supermercado
Como fazer a lista de compras de supermercado
dieta vigilantes do peso
Vigilantes do Peso: saiba tudo sobre esse programa alimentar