em

10 Citações do papa Francisco sobre a santidade

A mais recente exortação apostólica do papa sobre a santidade
papa Francisco sobre a santidade
Crédito: Pixabay

O papa Francisco criou recentemente uma nova exortação apostólica. A exortação é um gênero de documentos do Magistério. Ele nomeou o documento de “Gaudete Et Exsultate”, que é em latim. Sua tradução livre é “Alegrai-vos e exultai” e o documento se trata da chamada à santidade no mundo atual. Conheça algumas das citações do papa Francisco sobre a santidade.

O que disse o papa Francisco sobre a santidade

papa Francisco sobre a santidade citacoes
Crédito: The Independent

O papa indica que quer “fazer ressoar mais uma vez a chamada à santidade, procurando encarná-la no contexto atual, com os seus riscos, desafios e oportunidades” recordando assim aos católicos que não só podem, como devem aspirar à santidade. Ele fez muitas citações nesse novo documento, acompanhe 10 das citações do papa Francisco sobre a santidade.

1. Todas as pessoas, incluindo os leigos, são chamados à santidade

Francisco, em um dos capítulos do documento, propõe cinco manifestações de amor a Deus e ao próximo. Refere à capacidade de aguentar, a paciência, a mansidão, a alegria e a audácia:

“Ser santo não necessita ser um bispo, um sacerdote ou um religioso. Somos frequentemente tentados a pensar que a santidade é apenas para aqueles que podem retirar-se de assuntos comuns para gastar mais tempo em oração. Esse não é o caso. Todos nós somos chamados à santidade, vivendo nossas vidas com amor e testemunhando tudo o que fazemos, onde quer que estejamos.

Você foi chamado à vida consagrada? Seja santo, vivendo o seu compromisso com alegria. Você é casado? Seja santo amando e cuidando de seu marido ou esposa, como Cristo faz pela Igreja. Você trabalha para viver? Seja santo trabalhando com toda a integridade e habilidade a serviço de seus irmãos e irmãs. Você é um pai ou avô? Seja santo pacientemente ensinando os menores a como seguir Jesus. Você está em uma posição de autoridade? Seja santo trabalhando para o bem comum de todos e renuncie o ganho pessoal”. (GE 14).

2. Cristo é o centro de toda vida cristã

“Essa missão tem o seu significado mais pleno em Cristo e só pode ser compreendida por meio Dele. Na sua essência, a santidade está experimentando, em união com Cristo, os mistérios da sua vida. Ele consiste em unir-nos à morte e à ressurreição do Senhor de uma maneira única e pessoal, constantemente morrendo e ressuscitando mais uma vez com Ele”. (GE 20).

3. Nossa vida de oração deve apoiar nossa vida de serviço ativo

“Precisamos de um espírito de santidade capaz de preencher nossa solidão e nosso serviço, nossa vida pessoal e nossos esforços de evangelização, para que cada momento possa ser uma expressão de amor abnegado aos olhos do Senhor. Deste modo, cada minuto da nossa vida pode ser um passo no caminho do crescimento da santidade.” (GE 31).

4. Santidade leva à alegria

“Não tenha medo da santidade. Não tirará nada da sua energia, vitalidade ou alegria. Pelo contrário, você se tornará o que o Pai tinha em mente quando criou você e você será fiel ao seu eu mais profundo. Depender de Deus nos liberta de toda forma de escravidão e nos leva a reconhecer nossa grande dignidade”. (GE 32).

5. Nós só podemos nos tornar santos pela graça de Cristo

O papa, repetidamente, durante todo o documento diz que “não devemos ter medo da santidade” e é a ideia que ele quis passar com a criação dessa exortação.

“A Igreja tem repetidamente ensinado que somos justificados não por nossos próprios trabalhos ou esforços, mas pela graça do Senhor, que sempre toma a iniciativa. Os padres da Igreja, mesmo antes de Santo Agostinho, expressaram claramente essa crença fundamental. São João Crisóstomo disse que Deus derrama em nós a fonte de todos os seus dons antes mesmo de entrarmos em batalha”. (GE 52).

6. Não substitua o Evangelho por coisas menos importantes

“Alguns cristãos insistem em tomar outro caminho, o da justificação por seus próprios esforços, a adoração da vontade humana e suas próprias habilidades. O resultado é uma complacência egoísta e elitista, desprovida de amor verdadeiro. Isso encontra expressão numa variedade de modos aparentemente desconexos de pensar e agir: uma obsessão com a lei, uma absorção com vantagens sociais e políticas, uma preocupação meticulosa com a liturgia, a doutrina e o prestígio da Igreja, uma vaidade sobre a capacidade de administrar assuntos práticos e uma preocupação excessiva com programas de autoajuda e realização pessoal.

Alguns cristãos gastam seu tempo e energia nessas coisas, em vez de se deixarem levar pelo Espírito no caminho do amor, em vez de se apaixonarem por comunicar a beleza e a alegria do Evangelho e procurar os perdidos entre as imensas multidões que está sedenta de Cristo”. (GE 57).

7. Não deixe que o entretenimento o distraia de ter empatia com os outros

“Abençoados são os que choram, esses serão consolados. O mundo nos diz exatamente o contrário: entretenimento, prazer, diversão e fuga contribuem para a boa vida. A pessoa mundana ignora problemas de doença ou tristeza na família ou em toda a sua volta; ele evita seu olhar. O mundo não tem desejo de lamentar; preferiria desconsiderar situações dolorosas, encobri-las ou escondê-las.

Muita energia é gasta em fugir de situações de sofrimento na crença de que a realidade pode ser ocultada. Mas a cruz nunca pode estar ausente. Uma pessoa que vê as coisas como elas realmente são e simpatiza com a dor e a tristeza é capaz de tocar as profundezas da vida e encontrar a felicidade autêntica”. (GE 75-76).

8. A Igreja rejeita o aborto pela mesma razão que ela cuida dos pobres

O papa também toca em assuntos polêmicos do mundo atual e posiciona mais uma vez a igreja em relação ao aborto. Veja as palavras que ele utiliza em sua citação.

“Nossa defesa do inocente não nascido, por exemplo, precisa ser clara, firme e apaixonada, pois está em jogo a dignidade de uma vida humana, que é sempre sagrada e exige amor por cada pessoa, independentemente de seu estágio de desenvolvimento. Igualmente sagradas, no entanto, são as vidas dos pobres, dos que já nasceram, dos destituídos, dos abandonados e dos desprivilegiados, dos enfermos e idosos vulneráveis ​​expostos à eutanásia encoberta, às vítimas do tráfico de seres humanos, às novas formas de escravidão e a todas as formas de escravidão, rejeição.

Não podemos defender um ideal de santidade que ignore a injustiça em um mundo onde alguns se deleitam, gastem com abandono e vivam apenas para os bens de consumo mais recentes, mesmo enquanto outros olham de longe, vivendo suas vidas inteiras em pobreza extrema”. (101).

9. O diabo é real e devemos estar em guarda

O papa segue recordando explicitamente que o demônio existe e que é algo mais do que um mito.

“Não devemos pensar no diabo como um mito, uma representação, um símbolo, uma figura de linguagem ou uma ideia. [121] Esse erro nos levaria a baixar a guarda, a se tornar descuidado e a ficar mais vulnerável. O diabo não precisa nos possuir. Ele nos envenena com o veneno do ódio, da desolação, da inveja e do vício.

Quando baixamos a guarda, ele aproveita para destruir nossas vidas, nossas famílias e nossas comunidades. Como um leão que ruge, ele anda à procura de alguém para devorar (1Pe 5: 8).” (GE 161).

10. Maria é a maior dos santos

O papa ressalta a importância das mulheres na Igreja e retrata, precisamente, períodos nos quais as mulheres estiveram mais excluídas, o Espírito Santo suscitou santas, cujo fascínio provocou novos dinamismos espirituais e reformas importantes na Igreja.

“Eu gostaria que essas reflexões fossem coroadas por Maria, porque ela viveu as bem-aventuranças de Jesus como nenhuma outra. Ela é aquela mulher que se alegrava na presença de Deus, que guardava tudo em seu coração e se deixava perfurar pela espada. Maria é a santa entre os santos, abençoada acima de todas as outras.

Ela nos ensina o caminho da santidade e caminha sempre ao nosso lado. Ela não nos deixa ficar caídos e às vezes ela nos toma em seus braços sem nos julgar. Nosso conversar com seus consoles, liberta e nos santifica. Maria nossa mãe não precisa de uma enxurrada de palavras. Ela não precisa de nós para contar a ela o que está acontecendo em nossas vidas. Tudo o que precisamos fazer é sussurrar, repetidas vezes: ‘Ave Maria …'” (GE 176).

Veja também: 5 Orações de libertação.

Redigido por Natalia Rodrigues

Paulistana, cidadã do mundo e, como uma boa sagitariana, alucinada por viagens. Não só redatora, mas também estudante de Design Industrial e amante do empreendedorismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Loading…

0
Comentários
receitas de torta de frango
13 Receitas de torta de frango fáceis, simples e saborosas
Cachorro foi entregue com nota comovente antes do suicidio do proprietario
Cão foi entregue com bilhete comovente antes do suicídio do seu dono